Saúde em debate na primeira conferência do PROJETOR 2030

Arranca esta quarta-feira o ciclo de conferências PROJETOR 2030, promovido pela Associação Comercial do Porto e que conta com o Jornal Económico como media partner. Na sessão de abertura, a saúde estará no centro do debate e os oradores serão convidados a responder à questão “O cidadão está no centro do sistema?”.

A saúde está no epicentro da conferência inaugural do PROJETOR 2030, o ciclo de conferências que a Associação Comercial do Porto irá promover ao longo dos próximos meses, com o Jornal Económico como media partner, e onde os oradores serão convidados a refletir sobre as prioridades e a execução do novo programa de apoio comunitário. O primeiro debate arranca esta quarta-feira, pela 17h, no Palácio da Bolsa e a entrada é livre.

“O cidadão está no centro do sistema?” – a questão será respondida neste debate por Nelson Pereira, médico intensivista e diretor da unidade autónoma de gestão de urgência e medicina intensiva do CHU São João, João Marques Gomes, especialista em economia da saúde e professor assistente da Nova School of Business & Economics/Nova Medical School, e por Ema Paulino, farmacêutica e presidente da Associação Nacional de Farmácias.

Com esta conferência, a Associação Comercial do Porto pretende lançar a discussão sobre o modelo de prestação de cuidados em Portugal, avaliando se o país está a dar resposta às necessidades da população, bem como que contributos podem os fundos comunitários dar para melhorar o sistema. Mas há mais: pretende-se ainda trazer ao centro do debate diferentes perspectivas sobre “a complementaridade entre sectores, o crescimento da oferta privada e a sustentabilidade do serviço público”, refere a Associação em comunicado a que o NOVO teve acesso.

A sessão tem entrada livre, mas requer inscrição prévia que pode ser feita aqui.

Recomendadas

Hospital de Loures pediu desvio de doentes não críticos e teve espera superior a 16 horas

O Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, pediu o reencaminhamento de doentes não críticos para outras unidades, disse à Lusa fonte do Sindicato Independente dos Médicos, tendo o tempo de espera dos doentes considerados urgentes ultrapassado hoje as 16 horas.

SICAD alerta para o risco da pobreza fazer renascer consumos dos anos 80 e 90

O diretor-geral do serviço de intervenção nas dependências alertou hoje para o risco da pobreza fazer renascer os consumos “catastróficos” dos anos 80 e 90, caso não seja reforçada a resposta que está muito carenciada de meios humanos.

Diretor da urgência do Santa Maria alerta para falhas no encaminhamento de doentes

O diretor do serviço de urgências do Hospital de Santa Maria alertou hoje para falhas na rede de referenciação dos serviços de urgência, que encaminham demasiados doentes para aquele serviço quando há alternativas, agravando a pressão sentida.
Comentários