Saúde: Estudo pede financiamento em função de bons resultados com doentes

Um grupo de peritos apresentou uma proposta de financiamento da saúde em função dos bons resultados alcançados com o doente, privilegiando a qualidade dos cuidados, de forma a reduzir as complicações decorrentes dos tratamentos e consequentemente os custos.

Um estudo elaborado pela The Boston Consulting Group, a ser apresentado hoje publicamente, propõe a remuneração da saúde com base nos bons resultados, apresentando para isso quatro recomendações para incentivar a qualidade e a inovação na saúde.

Uma dessas recomendações, segundo a agência Lusa, aponta para a criação de um modelo de incentivos financeiros aos prestadores de cuidados de saúde que dependa dos resultados alcançados e baseia-se, para isso, num programa desenvolvido na Suécia, em que o pagamento por doente considerava todo o processo de tratamento durante dois anos e responsabilizava os hospitais incentivando-os a minimizarem complicações e custos.

Neste caso, conseguiu-se uma redução entre 15% a 20% nos reinternamentos e de 17% no custo por doente, referem os autores do estudo, explicando que esta proposta de modelo agora apresentada fará com que os critérios de financiamento passem a estar alinhados com os interesses dos doentes, numa lógica de médio prazo, valorizando a qualidade em detrimento da quantidade e prevendo a responsabilização dos prestadores.

Ainda na mesma lógica, o estudo defende a adoção de um “modelo de contratualização plurianual de objetivos e de financiamento”, segundo o qual o orçamento para a saúde deixa de ser anual e passa a estar orientado para resultados a médio prazo.

Desta forma, os prestadores podem definir objetivos a alcançar nos diferentes níveis de cuidados de saúde e programar a melhor forma de os alcançar.

Outra recomendação apresentada no relatório é a de reformar o modelo de acesso às tecnologias de saúde, medida considerada crucial para criar um sistema de saúde baseado em resultados. Essa reforma passaria pela introdução de critérios de determinação da sua efetividade e pela redução dos atrasos processuais.

O relatório defende ainda que os resultados em saúde sejam monitorizados, analisados e publicados, promovendo a transparência e contribuindo para a liberdade de escolha dos doentes.

Por último, é recomendado o reforço e a otimização do financiamento de medicamentos e outras tecnologias de saúde inovadoras, aumentando as verbas disponíveis para a inovação e criando um fundo dedicado a medicamentos inovadores com reembolso centralizado.

Recomendadas

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.

Alemanha não vai seguir “política fiscal expansionista” do Reino Unido

O Governo alemão anunciou um fundo de 200 mil milhões de euros destinado a proteger consumidores e empresas do aumento dos preços do gás impulsionado pela guerra na Ucrânia.
Comentários