Scholz abordará na Argentina, Chile e Brasil desafios políticos e climáticos

O chanceler alemão, Olaf Scholz, vai reunir-se com os líderes da Argentina, Chile e Brasil e abordar os grandes desafios globais, tanto políticos, como comerciais e climáticos.

Filipe Singer/EPA via Lusa

O chanceler alemão, Olaf Scholz, vai reunir-se com os líderes da Argentina, Chile e Brasil e abordar os grandes desafios globais, tanto políticos, como comerciais e climáticos, na primeira viagem aos países latino-americanos desde que chegou ao poder.

A viagem tem início no próximo sábado e os detalhes vão ser revelados no final da semana, mas segundo o porta-voz do Governo alemão, Steffen Hebestreit, Scholz irá reunir com os líderes argentino Alberto Fernandez, com o chileno Gabriel Boric, e com o brasileiro Lula da Silva.

A viagem “sublinha a relevância como parceiro da região”, disse Hebestreit, segundo o qual a Alemanha prepara-se para “aprofundar” as relações políticas e económicas com estes países, sobretudo no que diz respeito à luta contra as alterações climáticas e ao crescimento económico sustentável.

Scholz já teve a oportunidade de trocar opiniões com Fernandez na ultima presidência rotativa alemã ao G7, grupo das sete grandes potências mundiais – Estados Unidos, Canadá, Japão, Reino Unido, França e Itália, além da Alemanha -, da qual a Argentina participou como país convidado para a América Latina.

A Alemanha é o primeiro parceiro comercial da Argentina dentro do bloco da União Europeia e um país de grande relevância na busca de soluções para a crise energética precipitada pela guerra na Ucrânia, disse à agência de notícias espanhola um porta-voz de Chancelaria.

A visita ao Chile é a primeira de um chefe de Governo alemão em dez anos, depois da conservadora Ângela Merkel em 2013 e que agora reunirá o chanceler social-democrata com o progressista Boric.

O Brasil, país ao qual Merkel deu no passado o posto de parceiro preferencial na região, é para Scholz uma espécie de “reencontro” entre amigos, após o regresso ao poder de Lula, figura de referência do Partido Social Democrata (SPD) do chanceler.

O Fundo Amazónia ficou parado desde há três anos, por decisão do então Governo de Merkel, consequência do processo de desflorestação acelerado sob a presidência de Jair Bolsonaro.

No plano do fundo económico está a intenção de Scholz concluir finalmente o acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Mercosul, como reiterou o líder alemão há uns dias no seu discurso perante o Fundo Económico de Davos, Suíça.

Recomendadas

MNE japonês aponta ao homólogo chinês “grandes desafios” na relação bilateral

“As relações Japão-China enfrentam muitos desafios e inquietações. A opinião pública no Japão em relação à China piorou drasticamente”, descreveu Hayashi ao homólogo chinês, apontando a preocupação com as atividades militares “cada vez mais ativas” da China perto do território nipónico.

Hong Kong inicia segunda-feira maior julgamento ao abrigo da Lei da Segurança Nacional

As pessoas em julgamento representam um amplo espectro da oposição de Hong Kong, desde o proeminente advogado Benny Tai a antigos deputados eleitos como Claudia Mo, Au Nok-hin e Leung Kwok-hung, até jovens ativistas pró-democracia como Joshua Wong e Lester Shum.

Multimilionário indiano acusado de manipulação de ações nega laços políticos

O grupo Adani tem sete empresas cotadas em bolsa e muitas delas registaram hoje fortes quedas, entre as quais a Adani Enterprises e a Adania Total Gas.
Comentários