Science4you adia entrada em bolsa para 8 de fevereiro

O pedido de adiamento do período de subscrição da oferta à CMVM foi sustentado na celebração de um contrato de liquidez com um intermediário financeiro.

Cristina Bernardo

A Science4you pretende prolongar a Oferta Pública de Venda (OPV) até ao próximo dia 1 fevereiro, informou a empresa de brinquedos científicos e educativos, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Segundo a adenda ao prospecto, já enviado à CMVM, a Science4you prevê estrear-se na bolsa no dia 8 de fevereiro, sete dias após o fim da operação. Os resultados da operação serão conhecidos dia 4 de fevereiro e serão apurados e divulgados pela Euronext.

A empresa liderada por Miguel Pina Martins refere que submeteu à aprovação do regulador dos mercados um pedido de adenda ao prospeto e sublinha que é expectável que, caso essa adenda tenha ‘luz verde’, “que a oferta venha a ser prorrogada até 1 de fevereiro de 2019 em razão daquele facto novo”. Esse pedido à CMVM foi sustentado na celebração de um contrato de liquidez com um intermediário financeiro.

“De forma a incrementar a liquidez que possa existir na negociação dos títulos, a Science4you pretende celebrar um contrato de liquidez com um intermediário financeiro. Para tal, recebeu já uma proposta para a celebração do contrato de liquidez, a qual aceitou, pretendendo formalizar a celebração desse contrato nas próximas semanas, tendo em vista garantir que o mesmo estará em vigor por altura da admissão à negociação das ações no sistema de negociação multilateral Euronext Growth”, esclarece a nota divulgada pela CMVM.

A Science4you garante, no referido documento, que informará o mercado sobre a celebração daquele contrato até ao próximo dia 11 de janeiro.

O Jornal Económico sabe que a operação não conseguiu garantir até ao dia de hoje os cinco milhões de euros de subscrição (condição mínima para se realizar).

A decisão de prolongar o período da Oferta Pública de Venda acontece numa altura em, nos últimos dois meses, duas empresas retiraram operações de mercado por falta de procura de títulos. A primeira foi a Sonae MC, que desistiu da operação de entrada em bolsa, depois foi a vez da Vista Alegre que tinha uma operação de aumento de capital, cujo objectivo era elevar a dispersão de capital e ascender ao PSI-20, e que também acabou por desistir por causa das “condições do mercado”.

A oferta da Science4you começou no dia 28 de novembro e tinha como data limite esta sexta-feira, 14 de dezembro. Inicialmente previa-se que a estreia das acções em bolsa ocorresse no dia 21 de dezembro.

A operação “visa a dispersão junto de investidores de um número máximo de 6.122.448 acções ordinárias, nominativas e escriturais, sem valor nominal, representativas de 44,11% do capital” da empresa de brinquedos, após o aumento de capital e pressupondo a integral subscrição deste aumento.

Pois esta operação compreende uma oferta pública de subscrição (OPS) no montante máximo de 8,25 milhões de euros e uma oferta pública de venda (OPV), por parte de um conjunto de actuais acionistas, no montante máximo de cerca de 6,75 milhões de euros, com a subsequente admissão à negociação.

A OPV tem prioridade até cinco milhões de euros, que corresponde ao mínimo de ações que terão que ser vendidas para que a oferta seja eficaz.

Isto porque a operação está sujeita à condição de que, pelo menos, 2.040.817 acções reservadas à componente de venda sejam adquiridas (as ações serão vendidas a 2,45 euros), “Se esta condição não se verificar, a oferta ficará sem efeito e não ocorrerá a respectiva a liquidação”.

(atualizada)

Relacionadas

Science4You: “Temos que ter até 40% das vendas ‘online’ em cinco a dez anos”

O futuro da venda de brinquedos passa pelo ‘e-commerce’ e a Science4you quer tocar o sino da Bolsa de Lisboa para poder “fazer parte dessa onda”, sublinha o fundador e CEO_da empresa.

Raize e Science4you serão obrigados a comunicar transação de dirigentes

A comunicação de transações de ações próprias e transações de dirigentes era, até agora, uma obrigação que abrangia apenas as empresas cotadas em mercado regulamentado, mas a CMVM estendeu-a às empresas admitidas à negociação em sistema de negociação multilateral. Esta e outras novidades surgem da aprovação de um novo regulamento da CMVM.

“Vai mas é vender brinquedos”. Como surgiu a ideia para criar a Science4you

Miguel Pina Martins recorda a pressão que sentiu quando, aos 20 anos, deixou uma carreira na banca para criar a Science4you.
Recomendadas

Receitas das estações de serviço na Ibéria cresceram 29% em 2021 devido à subida dos preços

De acordo com a análise que a Informa D&B realizou a este setor, em 2021 o mercado ibérico registou um aumento significativo de 10,6% face a 2020 no volume das vendas de gasolina e gasóleo, que corresponde a 38,30 milhões de toneladas de combustível.

Dona da Betano celebra primeiro ano da TechHub de Lisboa com reforço das equipas

O Tech Hub da Kaizen Gaming em Lisboa já emprega trinta pessoas e o objetivo passa por continuar a crescer no mercado português. Nesse sentido, serão abertas vagas para diversas funções.

PremiumFintech House muda de sede para duplicar número de startups

‘Joint venture’ da associação Portugal Fintech e da rede de espaços de trabalhos partilhados Sitio investiu perto de um milhão de euros na mudança do edíficio na Praça da Alegria para o da Avenida Duque de Loulé, com dez pisos e mais de 2 mil metros quadrados.
Comentários