Se adesão à ASEAN não avançar, Timor-Leste congela o processo e vira-se para a China, diz Ramos-Horta

O Presidente de Timor-Leste disse hoje que se a adesão à Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN, na sigla em inglês) não avançar, o país congela o processo e vira-se para a China.

“Se houver atrasos na adesão, vou à China ver o meu amigo [Presidente chinês] Xi Jinping e congelo o processo de entrada na ASEAN, porque há vida para além da ASEAN”, disse José Ramos-Horta, perante uma plateia de empresários que o ouviam durante um encontro na sede da Associação Industrial Portuguesa (AIP), que decorreu esta manhã em Lisboa.

As declarações de Ramos-Horta surgem apesar de haver um consenso na adesão de Timor-Leste a esta entidade económica regional que engloba dez países asiáticos, e de o Presidente estar convicto da adesão, se não no próximo ano, no máximo até 2025.

“Houve trabalhos intensos nos últimos três a cinco anos, completaram a última avaliação em junho e julho e foi totalmente favorável” à adesão de Timor-Leste, disse Ramos-Horta, explicando que o cenário ideal passava pela entrada já em janeiro do próximo ano.

“O cenário ideal era anunciarem o convite agora, e depois a cerimónia oficial ser quando a Indonésia assume a presidência, em janeiro de 2023”, acrescentou o chefe de Estado, que recentemente tinha dito que “é mais fácil entrar no céu do que na ASEAN”.

No encontro com os empresários portugueses, Ramos-Horta salientou algumas das áreas preferenciais em que o país está disposto a acolher investimento estrangeiro, como a indústria farmacêutica, têxtil, médica e de saúde, conservas e calçado, para além dos serviços financeiros que devem estar concentrados no BNU-Timor, a filial do grupo Caixa Geral de Depósitos.

“É do nosso interesse que Portugal e a União Europeia estejam em Timor-Leste, e eu fiquei muito contente com empresas espanholas terem ganhado a concessão de estradas e outros projetos, para não ficarmos demasiado dependentes de um só país”, salientou.

O Presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta, iniciou na segunda-feira uma visita oficial a Portugal, cumprindo a tradição de Portugal ser o primeiro país visitado por cada novo Presidente timorense.

Recomendadas

Desflorestação na Amazónia cai pela primeira vez no Governo de Bolsonaro

A Amazónia brasileira perdeu 11.568 km2 de cobertura vegetal entre agosto de 2021 e julho de 2022, menos 11,3% que a devastada no ano anterior. É a primeira redução do desmatamento desde que Jair Bolsonaro chegou ao poder.

Israel: Netanyahu garante que vai manter a controlo sobre a extrema-direita

Primeiro-ministro designado insiste que os radicais com que formará governo não vão tomar o poder nas suas mãos. “Israel não será governado pelo Talmud”. A incógnita é o que acontecerá com o seu julgamento por corrupção.

Parlamento alemão define como genocídio a “grande fome” na Ucrânia

O parlamento alemão aprovou uma resolução que define de genocídio o ‘Holodomor´’, a “grande fome” que atingiu a Ucrânia em 1932-1933 e que terá vitimado mais de três milhões de ucranianos.
Comentários