“Se Portugal se atrasar na emissão de ‘green bonds’ não será dramático”, diz Cristina Casalinho

A presidente da instituição que gere a dívida pública diz ao JE que a padronização das emissões de ‘dívida verde’ ainda está em curso na Europa, portanto o facto de Portugal ainda não ter materializado a intenção anunciada até pode acabar por ser positivo.

A intenção foi anunciada pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, em julho do ano passado, e o ministro do Ambiente e da Transição Energética, Matos Fernandes tem falado sobre o assunto mais recentemente, mas Portugal ainda não concretizou a emissão de ‘green bonds’ soberanos, ou seja, dívida pública com compromissos relacionados com projetos e metas de sustentabilidade.

Em entrevista ao Jornal Económico, Cristina Casalinho, presidente da IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, reconhece que tal como a França, a Bélgica, Holanda, Polónia ou Irlanda, poderá emitir esse tipo de obrigações.

Poderá ser em 2020? “Não lhe posso dizer, porque não sei e porque normalmente também os anúncios das intenções de emitir green bonds nunca são da agência de dívida, mas sim do órgão executivo”, explica.

Casalinho salienta, no entanto, que o desenvolvimento do modelo europeu para este tipo de financiamento ainda está em curso, o que quer dizer que Portugal ainda não perdeu o comboio das green bonds.

“Sim, há países na Europa que já emitiram green bonds, mas com modelos diferentes. Um modelo que parece ter tido mais adesão é de facto um modelo francês, porque não faz, ao contrário do modelo das empresas e de alguns países como a Polónia, uma consignação das despesas aos fundos”, refere a presidente do IGCP.

No caso francês, que foi seguido pela Bélgica e pela Irlanda, “usa-se um conjunto de medidas orçamentais a projectos que são verdes, relaciona-se uma coisa com a mas a relação não tem de ser absolutamente única, só tem de se fazer prova que os projectos foram feitos e o que o dinheiro foi utilizado”, explica, adiantando que  depois há dois tipos relatórios, um é o relatório da alocação em que se mostra que o fundos foram gastos e depois o relatório do impacto, de se as medidas tiveram os resultados previstos.

“Nos green gonds ainda estamos numa fase não-standardizada. Cada Estado, cada soberano que emitiu fez de uma maneira própria, cada um olha para o quadro mais ou menos geral dá um toque pessoal”, vinca Casalinho. “O que é interessante é ver que na Europa há um projecto, um plano em que há vários passos em que a própria Comissão Europeia está a tentar padronizar este tipo de emissões, quer a nível corporativo quer a nível de soberanos”.

“Portanto ainda é um processo em curso, em marcha e se nós nos atrasarmos, não será dramático porque vamos caminhar para termos um standard ao qual ainda não chegamos”, sublinha a presidente do IGCP.

“Se emitirmos antes disso podemos ficar com as emissões um bocado dispersas e diferentes umas das outras”, conclui.

Relacionadas

PremiumCristina Casalinho: “Faltam pelo menos dois anos para Portugal ter notação no nível A”

A presidente do IGCP, Cristina Casalinho, diz que pode demorar, mas o rating em ‘single A’ é crucial para alargar a base de investidores e beneficiar de novas tendências como a chegada de compradores japoneses à Europa.

PremiumPortugal só teria a ganhar ao emitir dívida ‘verde’, diz Allianz Global

Gestor da Allianz Global Investors explica que a sustentabilidade entrou em definitivo no radar dos mercados e que emitir obrigações verdes soberanas representaria uma situação ‘win win’ para Portugal.
Recomendadas

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta quinta-feira

“Há mais hospitais a falhar tempos de espera para consultas de saúde mental”; “Máfia dos passaportes na mira da Polícia”; “Nigéria falha quatro entregas de gás natural a Portugal”

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quinta-feira

O Banco de Portugal divulga esta quinta-feira o Boletim Económico de outubro, A expectativa quanto a estas previsões é significante, especialmente depois da pressão do Presidente da República para que o Governo divulgasse as projeções macroeconómicas antes de anunciar o Orçamento do Estado para 2023.

FMI estima que a espiral de salários-preços ainda é um “risco limitado”

A ausência de uma espiral preços-salários não deve levar os líderes a não agirem para combater a inflação persistente, considera ainda o Fundo Monetário Internacional.
Comentários