Seca contribuiu para a segunda pior campanha de cereais de inverno dos últimos 105 anos (com áudio)

Além dos cereais, também a produção de batata, macieiras e pereiras foram especialmente afetados pela seca no país.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) revelou, esta quinta-feira, que a seca contribuiu para a segunda pior campanha de cereais de inverno nos últimos 105 anos.

Assim, o INE aponta que “as previsões agrícolas, em 31 de julho, apontam para uma campanha cerealífera fortemente marcada pela seca severa a extrema que acompanhou grande parte do ciclo vegetativo dos cereais de inverno”. A atual campanha foi a segunda pior desde que existem registos sistemáticos, apenas superior à produção de 2012 e próxima da de 2005 (igualmente anos de secas extremas).

Além dos cereais batata também foi afetada pela seca e pelas temperaturas muito elevadas que inibiram a tuberização, verificando-se decréscimos de produtividade, bem como dificuldades de comercialização.

As elevadas temperaturas também afetaram outros alimentos. A onda de calor, cujo pico ocorreu no período de 7 a 17 de julho, causou escaldões nas fruteiras, principalmente nas macieiras e pereiras, e também na vinha, culturas onde se preveem quebras de produtividade de, respetivamente, 15%, 30% e 10%, face à campanha anterior.

Nas prunóideas a produção colhida deverá ser inferior no pêssego (menos 25%), enquanto para a amêndoa, consequência da entrada em produção de novas plantações, estima-se uma produção próxima da alcançada em 2021.

No entanto, o cenário nas culturas de primavera não é tão negativo, apesar da escalada dos preços dos meios de produção e da escassez de água de rega que, em muitos regadios privados, tem condicionado a frequência e dotação de rega. Prevê-se um aumento de 5% da área de milho e a manutenção da produtividade no arroz e tomate para a indústria, face ao ano anterior.

Ao falar especificamente na temperatura, “no final de julho, de acordo com o índice meteorológico de seca, registou-se um agravamento da situação de seca meteorológica, com um aumento da área em seca extrema (a classe mais grave), que passou a ocupar 44,8% do território continental (28,4% no final de junho), abrangendo vastas zonas do Nordeste Transmontano, Interior Centro, Baixo Oeste, Lezíria do Tejo e Alentejo”.

Relativamente às reservas hídricas “o volume de água armazenado nas principais albufeiras com aproveitamento hidroagrícola de Portugal continental encontrava-se a 59% da capacidade total, valor inferior ao registado no final do mês anterior (64%) e muito inferior ao valor médio de 1990/91 a 2020/21 (71%)”.

Recomendadas

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.
Comentários