Sector dos eventos regista perdas de 30 milhões de euros em dezembro

Neste contexto, a associação APSTE reivindica mais medidas de apoio ao setor, tais como a prorrogação do programa APOIAR e a extensão das moratórias.

A Associação Portuguesa de Serviços Técnicos para Eventos (APSTE) indicou esta terça-feira que o sector registou perdas de 30 milhões de euros em dezembro e previu quebras de 90% nos primeiros dois meses do ano.

“O setor dos eventos mantém-se dos mais afetados, com perdas de 30 milhões de euros em dezembro nas empresas de serviços técnicos para eventos. Adicionalmente, antecipam-se quebras de 90% dos trabalhos previstos para os dois primeiros meses do ano”, indicou a APSTE, em comunicado.

Neste contexto, a associação reivindica mais medidas de apoio ao setor, tais como a prorrogação do programa APOIAR e a extensão das moratórias.

“Neste momento o setor foi altamente afetado pelos cancelamentos das Festas de Natal e Passagem de Ano, uma fase que era antecipada para a recuperação”, pode ler-se no comunicado da APSTE, lamentando que várias autarquias tenham optado por cancelar eventos, quando poderiam ter optado por “soluções flexíveis”, como bilhetes para controlo de entradas ou multipostos de fogo-de-artifício, para que as pessoas pudessem assistir em casa, em segurança.

O setor dos eventos integra duas centenas de empresas que empregam cerca de 4.500 pessoas de forma direta e indireta, lembrou a APSTE, considerando que “as atuais medidas protegem os decisores políticos”, uma vez que os eventos não estão proibidos, mas também não estão a acontecer e muitos foram cancelados.

Também hoje foi publicada em Diário da República a autorização para uma garantia pessoal do Estado até 9,5 milhões de euros à linha de crédito para apoio à montagem de eventos, atividade fortemente afetada pela pandemia de covid-19.

“Autorizo a concessão de uma garantia pessoal do Estado […] destinada a assegurar as responsabilidades de capital deste Fundo pelas garantias de carteira, com limite máximo de 20% do montante do financiamento, prestadas no âmbito da ‘Linha de Apoio à Economia Covid-19 – Montagem Eventos’, com o montante global máximo de financiamento de 50.000.000 euros”, lê-se no despacho assinado pelo Secretário de Estado das Finanças, João Nuno Mendes.

O governante fixou a taxa de garantia em 0,2% por ano e justificou a autorização da garantia pessoal do Estado ao Fundo de Contragarantia Mútuo também com o parecer favorável dado, em 03 de dezembro, pelo ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital.

A covid-19 provocou mais de 5,40 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse. Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.890 pessoas e foram contabilizados 1.286.119 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

Recomendadas

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.

Juro médio nos novos créditos à habitação em outubro com maior subida mensal desde 2003

“Trata-se da maior subida mensal desde o início da série estatística, em 2003”, salienta o Banco de Portugal (BdP), explicando que “esta evolução acompanha a subida das taxas médias da Euribor”.
Comentários