Sector nacional da cerâmica arranca com projeto de internacionalização

Projeto ‘Intercer – Promoção da Internacionalização da Cerâmica Portuguesa’ é da responsabilidade da APICER – Associação Portuguesa das Indústrias de Cerâmica e Cristalaria e será desenvolvido até ao final de 2022.

O sector nacional da cerâmica vai arrancar com um projeto de internacionalização desta indústria, numa iniciativa da APICER – Associação Portuguesa de Cerâmica e Cristalaria.

“Definir o posicionamento da marca ‘cerâmica made in Portugal’, melhorar a comunicação e a imagem do sector e mudar a perceção dos mercados relativamente à cerâmica portuguesa, são alguns dos objetivos do projeto ‘INTERCER'”, apresentado no final da semana passada em seminário, revela um comunicado da APICER.

Segundo o mesmo documento, “a Associação Portuguesa das Indústrias de Cerâmica e de Cristalaria (…) apresentou (…) o projeto ‘INTERCER – Promoção da Internacionalização da Cerâmica Portuguesa’, acrescentando que “o projeto foi apresentado num seminário ‘online'”, que “reuniu empresas e empresários dos diversos subsectores da indústria portuguesa de cerâmica e de cristalaria”.

“O ‘INTERCER’, preconizado pela APICER, é um projeto que visa mudar a perceção que os mercados têm da cerâmica portuguesa, nomeadamente dos subsectores da cerâmica utilitária e decorativa e dos revestimentos e pavimentos cerâmicos”, como explica José Luís Sequeira, presidente da direção da APICER.

De acordo com este responsável, “o sector português da cerâmica desenvolve produtos de enorme qualidade, mas nem sempre os mercados internacionais, caracterizados por uma intensa rivalidade competitiva, têm uma perceção condicente com a qualidade dos produtos que se produzem em Portugal”.

“O ‘INTERCER’ quer definir e comunicar um novo posicionamento para a ‘cerâmica made in Portugal’ e tem como ambição comunicar, de forma coerente e muito consistente, esse mesmo posicionamento e de assegurar que essa comunicação chega às audiências certas nos mercados internacionais”, explica o presidente da APICER.

O comunicado desta associação sublinha que, “com vista a melhorar a competitividade do sector, e a par com a definição do posicionamento da marca ‘cerâmica made in Portugal’, o ‘INTERCER’ propõe-se, assim, a melhorar a comunicação e a imagem do sector nos mercados internacionais com uma comunicação com um nível de qualidade condicente com o posicionamento desejado; a aumentar a perceção da qualidade percebida dos produtos nos mercados internacionais, através de um conjunto de ações e suportes de comunicação; e a reforçar a visibilidade internacional da oferta do sector”.

“Para tal, o projeto, que foi iniciado em 24 de dezembro de 2020, irá desenvolver até ao final de 2022 um conjunto de ações, incluindo a definição de uma estratégia de marca para a cerâmica portuguesa; o desenvolvimento de uma identidade verbal e visual alinhadas com o posicionamento; o desenvolvimento de diversos suportes de comunicação; e a comunicação e ativação da marca junto das audiências relevantes nos mercados-alvo (em articulação com a AICEP), de modo a reforçar as exportações do sector”, assegura o referido comunicado.

A APICER adianta que o ‘INTERCER’ contou com o apoio das empresas de consultoria VLM Consultores, para a elaboração da candidatura, e Super Brands Consultants, para a criação e desenvolvimento da marca para a cerâmica portuguesa e respetiva estratégia de comunicação a implementar.

O projeto foi ainda apoiado pelo sistema de incentivos SIAC (Sistema de Apoio a Ações Coletivas) e é cofinanciado pelo FEDER, no âmbito do COMPETE 2020 – Programa Operacional Competitividade Internacionalização.

O evento de apresentação do ‘INTERCER – Promoção da Internacionalização da Cerâmica Portuguesa’, contou com mais de 70 participantes e com as exposições de José Luís Sequeira; Cláudia Domingues, vice-presidente da APICER, presidente da Unidade Autónoma Cerâmica Utilitária e Decorativa e sócia gerente da António Rosa Cerâmica; Paula Roque, presidente da mesa da assembleia geral da APICER, presidente da Unidade Autónoma de Revestimentos e Pavimentos Cerâmicos e ‘Managing Partner’ da REVIGRÉS; Miguel Casal, presidente do conselho de administração da Grestel S.A.; Marco Mussini, administrador da Gres Panaria Portugal; João Magalhães, ‘partner’ da Super. Brand Consultants; e Jorge Salvador, representante da AICEP e especialista da Fileira Construção Civil e Materiais de Construção.

Recomendadas

PremiumContrato que prevê bónus milionário da CEO da TAP não é válido

JE revela contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Contrato da CEO da TAP: “Não é só falta de retificação, é falta de aprovação”

O advogado Rogério Alves reagiu à notícia avançada pelo Jornal Económico. O contrato de Christine Ourmières-Widener com a TAP não só não foi retificado em AG como não foi aprovado. “Isto politicamente tem um custo”, diz.
Comentários