Segundo dia de greve dos pilotos de barra e portos mantém forte adesão em todo o país

De acordo com um responsável do sindicato, “só no porto de Lisboa há uma lista de 25 navios em espera [para entrar ou sair] em resultado do serviço não feito desde ontem [terça-feira, primeiro dia de greve]”.

A greve dos pilotos de barra e portos, pelo acesso à reforma antecipada aos 60 anos, continua hoje a registar uma adesão quase total em todos os portos do país, exceto Leixões, segundo um dirigente do sindicato OficiaisMar.

Em declarações à agência Lusa, Aristides Bicho, do Sindicato dos Capitães, Oficiais Pilotos, Comissários e Engenheiros da Marinha Mercante (OficiaisMar), disse que “em Lisboa continua tudo parado e nos outros portos as coisas globalmente também estão mobilizadas, excetuando alguns movimentos que houve em Leixões e outros inseridos nos serviços mínimos”.

De acordo com este responsável, “só no porto de Lisboa há uma lista de 25 navios em espera [para entrar ou sair] em resultado do serviço não feito desde ontem [terça-feira, primeiro dia de greve]”.

“Está tudo bem encaminhado”, considerou.

O dirigente do OficiaisMar revelou estar marcada para as 14:30 de hoje uma reunião na Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT) “para tentar uma aproximação” com a tutela, assim como para discutir outras matérias relacionadas com as condições de exercício da atividade.

Aristides Bicho avançou, contudo, à Lusa que até ao momento não há quaisquer indicações que apontem para uma eventual suspensão da nova greve que já está marcada para os dias 06 e 07 de dezembro.

Os pilotos de barra e portos reivindicam que o Governo cumpra um acordo, alcançado em 07 de agosto de 2019 com as administrações portuárias, que lhes permitia o acesso à reforma antecipada a partir dos 60 anos, dada “a natureza especialmente penosa e desgastante” da atividade.

Segundo um comunicado do OficiaisMar, “apesar de todas as tentativas de diálogo com a tutela ao longo dos últimos três anos, consideraram-se esgotadas as possibilidades de negociação, tanto mais que, em reunião no Ministério das Infraestruturas e Habitação, realizada no passado dia 21 de setembro de 2022, foi claramente dito que o Governo não implementaria este acordo”.

Os trabalhadores reclamam a “implementação do projeto de proposta de diploma, subscrito pelos sindicatos representativos dos pilotos de barra e portos e pelas administrações portuárias” e que “reconhece a natureza especialmente penosa e desgastante da atividade profissional exercida pelo pessoal técnico de pilotagem ao serviço das administrações portuárias, garantindo a estes profissionais a justa possibilidade da aposentação/reforma a partir dos 60 anos de idade”.

A greve dos pilotos de barra e portos decorre desde as 00:00 de terça-feira até ao final do dia de hoje e deverá repetir-se entre as 00:00 de 06 de dezembro e o final de 07 de dezembro, estando assegurada a prestação de serviços mínimos, segundo o pré-aviso de greve a que a agência Lusa teve acesso.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

JMJ custaram 48,5 milhões de euros à Polónia em 2016

As JMJ realizam-se por todo o mundo, sendo este ano organizadas em Portugal entre os dias 1 e 6 de agosto. Este evento está a gerar alguma discórdia devido aos valores que Portugal vai gastar para receber o Papa Francisco. Mas esta discussão não acontece apenas por cá. Também nos países que já foram anfitriões das jornadas este foi um tema polémico.

“Sofisma constitucional.” Vital Moreira lamenta o “severo rigorismo” do TC sobre a eutanásia

Constitucionalista não concorda com a decisão tomada pelo Tribunal Constitucional em relação ao diploma da despenalização da morte medicamente assistida e critica a argumentação que sustenta a inconstitucionalidade.
Comentários