Seguradora de crédito espanhola e Fundação Gil unem-se para acolher crianças em risco de exclusão social

Esta é a primeira iniciativa de cariz social que a CESCE adotou. Através do apoio desta seguradora, vai ser possível organizar atividades e angariar fundos próprios para garantir a continuidade do pavilhão multiusos na Casa do Gil de Lisboa.

A seguradora de crédito espanhola presente em Portugal há 16 anos, CESCE vai trabalhar em colaboração com a Fundação do Gil de Portugal para promover a saúde pediátrica e a integração de crianças em situação de risco de exclusão social.

Segundo o comunicado divulgado, esta quinta-feira, a contribuição da entidade espanhola levou à construção de um pavilhão multiusos na Casa do Gil de Lisboa, que permitirá à fundação organizar atividades e angariar fundos próprios para garantir a sua continuidade. Entre essas atividades há programas educativos, eventos dirigidos às crianças e suas famílias, eventos corporativos orientados ao setor empresarial e iniciativas abertas ao público em geral.  Esta é a primeira iniciativa de cariz social adotada pela CESCE.

O presidente do Grupo CESCE, Fernando Salazar, veio a Portugal para visitar as instalações no passado dia 11 de dezembro e recordou que a “CESCE é uma empresa comprometida social e ambientalmente, como refere o seu Código Ético”. Além disso, sublinhou que um dos objetivos da companhia espanhola é internacionalizar a sua Responsabilidade Social Corporativa até 2020.

Recomendadas

JMJ Lisboa será um “mega fenómeno”, diz secretário-geral da Segurança Interna

O secretário-geral do SSI sublinhou que “ainda é cedo para uma estimativa” sobre o número de pessoas que vão estar presentes no país, mas “a experiência aponta para ser um mega fenómeno e mega evento com uma grande circulação de pessoas”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira, 5 de dezembro

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Natal. 87% dos portugueses vão decorar as casas e só 27% querem reduzir na eletricidade

São 54% os portugueses que não pensam gastar dinheiro em novas decorações (19% prevê gastar até 25 euros e 16% prevê gastar entre 25 e 50 euros), de acordo com os dados revelados por um estudo da Klarna.
Comentários