Segurança Social com atraso de verbas de 172,3 milhões de euros

“A previsão de 2020 é de 283 milhões de euros, precisamente para corrigir [a falta das verbas]”, garantiu Ana Mendes Godinho na apresentação do Orçamento destinado para a Segurança Social no próximo ano, afirmando que se trata de um acerto de contas.

O Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS) tem em falta 172,3 milhões de euros de receitas, noticia o Jornal de Notícias, esta sexta-feira, 20 de dezembro. Em causa, estão as receitas do Adicional ao IMI (AIMI), sendo que o dinheiro em falta pretende garantir a sustentabilidade das pensões.

Apesar das verbas não terem sido recebidas, a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, revelou que se verificou um adiamento e que as mesmas vão ser entregues no próximo ano. “Em relação ao AIMI, as transferências em 2019 foram de 50 milhões de euros”, sustentou a ministra.

“A previsão de 2020 é de 283 milhões de euros, precisamente para corrigir [a falta das verbas]”, garantiu Ana Mendes Godinho na apresentação do Orçamento destinado para a Segurança Social no próximo ano, afirmando que se trata de um acerto de contas. Para o gabinete da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social estão destinados 21,279 milhões de euros no próximo ano.

Além de se verificar o acerto de contas do AIMI, refletindo o aumento na cobrança, também se vai observar o mesmo nas receitas de IRC. O FEFSS vai passar a receber 1,5% da receita de impostos sobre os lucros das empresas. “Em relação ao IRC, tivemos 199 milhões em 2019. A previsão que temos para 2020 é de 277 milhões em função da previsão da trajetória de crescimento económico”, afirmou Ana Mendes Godinho.

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

Uma semana rica em dados da inflação na Europa, que os mercados analisarão com atenção na busca de sinais sobre a política monetária de médio-prazo do BCE, que tem vários responsáveis a discursar. Também nos EUA e Inglaterra os responsáveis pelos bancos centrais discursam na antecâmara da última reunião do ano.

PRR, mesmo sem inflação, sofreria dos mesmos problemas

Execução da bazuca enfrentaria dificuldades com burocracia e mudanças na economia global, reforçando papel dos contabilistas.

Cabo Verde quer reforçar combate à pobreza com aumento de 25% da taxa turística

Governo liderado por Ulisses Correia e Silva prevê arrecadar 8,6 milhões de euros com o aumento da taxa, que serão canalizados para o fundo de financiamento Programa Mais, Mobilização pela Aceleração da Inclusão Social, concebido para apoiar projetos de combate à pobreza extrema e exclusão social, segundo a Forbes África Lusófona.
Comentários