Seguro Automóvel, o futuro online

O Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Famílias 2013 realizado pelo INE, revela que 67 por cento das famílias têm acesso a computador em casa e 62 por cento dispõem de acesso à Internet por banda larga. Das pessoas com idade entre 16 e 74 anos, 64 por cento utilizam computador, 62 por cento acedem à Internet e 15 por cento […]

O Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Famílias 2013 realizado pelo INE, revela que 67 por cento das famílias têm acesso a computador em casa e 62 por cento dispõem de acesso à Internet por banda larga. Das pessoas com idade entre 16 e 74 anos, 64 por cento utilizam computador, 62 por cento acedem à Internet e 15 por cento efetuam encomendas online.
Na verdade, ainda são muitas as resistências aos avanços do mundo digital no que a transações diz respeito e ainda mais no que se refere
à aquisição de produtos e serviços financeiros, como é o caso dos seguros. Mas todos os estudos apontam para uma rápida evolução, com a internet a tornar-se num canal incontornável também nestes setores. A nova geração das redes sociais está plenamente preparada para a utilização intensiva das funcionalidades da internet e confia na forte legislação que protege os consumidores. Um estudo realizado pela Cap Gemini em parceria com o CECAS – Centro de Estudios Del Consejo General de los Colegios de Mediadores de Seguros Espanhol, publicado em
maio de 2013, conclui que o futuro próximo nos reserva clientes mais orientados para o preço e cada vez mais voláteis, informados e digitais.
Na Europa, indica-nos um estudo publicado pela Ernst & Young sobre as tendências dos comportamentos dos consumidores de seguros particulares, que mais de 50% dos compradores de seguros utilizam a Internet para pesquisa de informação sobre os produtos e respetivos preços. Utilizam maioritariamente portais agregadores, blogs e os sites das seguradoras. Os comparadores de seguros existentes na Internet têm vindo a constituir-se por toda a Europa como novos atores no processo de escolha de seguros pelos consumidores. Existem mercados, como o Reino Unido, onde as vendas de seguro automóvel online através de comparadores e canais diretos representam já 63% da distribuição (com os comparadores a centrarem-se aproximadamente nos 27%).

Neste contexto as seguradoras tradicionais começam gradualmente a apostar numa política comercial multicanal atenta também ao canal direto para além de todos os canais tradicionais que representam sem dúvida a sua maior força de vendas. Trata-se de introduzir mais uma componente na visão integrada da estratégia de canais de distribuição ao nível do retalho dando resposta às pretensões dos consumidores que reclamam por informação transparente e completa no canal online.
Este é um novo desafio para o qual as seguradoras e os agentes de seguros terão que se preparar mais tarde ou mais cedo e que representará certamente um impulsionador das vendas daquelas que estiverem presentes com estratégias comerciais ágeis e adaptadas.
Em Portugal foi lançada muito recentemente uma nova plataforma que se apresenta como o primeiro comparador independente em Portugal atuando para já apenas no seguro automóvel nas suas várias modalidades, online em www.queseguro.pt. Agrega várias seguradoras e prevê para breve a integração de outras marcas relevantes no mercado português.
O queseguro.pt® é uma plataforma inovadora, que integra um simulador fácil e intuitivo, devolvendo, numa só simulação, o preço de várias seguradoras em menos de três minutos. O ranking tem em conta o nível de cobertura de cada produto e o cliente pode comparar individualmente cada seguradora acedendo a mapas comparativos bastante claros e exaustivos. Esta análise de coberturas (limites de indemnização, franquias, etc.) permite uma decisão fundamentada não apenas no preço mas também na qualidade. O cliente pode solicitar o contacto via telefone e fechar o seguro selecionado.

 

Dídia Coelho / Costa Duarte – Corretor de Seguros, SA

Recomendadas

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.