Seguro de crédito: Coface quer ser a mais atrativa do mercado

A seguradora de crédito francesa Coface aposta em soluções globais de cobertura de risco de crédito competitivas para apoiar as empresas portuguesas. A Coface, que, em França, gere as garantias públicas à exportação em nome do Estado e está presente em 99 países, entrou em Portugal na viragem do milénio. A sua entrada foi um […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A seguradora de crédito francesa Coface aposta em soluções globais de cobertura de risco de crédito competitivas para apoiar as empresas portuguesas.

A Coface, que, em França, gere as garantias públicas à exportação em nome do Estado e está presente em 99 países, entrou em Portugal na viragem do milénio. A sua entrada foi um imperativo. Explica José Monteiro, country manager da Coface Portugal: “Como líder mundial em seguros de crédito, a Coface tem, necessariamente, de assegurar a sua presença em todos os países da União Europeia, assim como em todos os países em que se verifiquem trocas comerciais com risco de crédito associado, por forma a poder acompanhar os seus segurados e as suas estratégias de crescimento.”

A empresa possui escritórios em Lisboa e no Porto e assegura a sua presença tanto a nível de comercialização como a nível da gestão e acompanhamento dos seus segurados a nível nacional, através da sua equipa de gestores, do canal Mediação e de uma parceria com o Novo Banco, permitindo “um apoio efetivo às empresas portuguesas”. A sua atividade está centrada exclusivamente no seguro de crédito.

Em Portugal, a empresa possui equipas de gestão de informação, risco e recuperações, que “permitem um acompanhamento muito próximo das empresas portuguesas”, possibilitando, assim, “um serviço semelhante em qualquer parte do mundo”, para todos os seus clientes.

“Tal como para os exportadores portugueses, a presença da Coface em Portugal permite aos seus segurados, que se situam em mercados externos, exportar em segurança para Portugal”, sublinha o gestor.

Este ano, a Coface renovou a sua apólice standard, antes Globalliance, agora, com o objetivo de “ir mais além na proteção das empresas” que operam na economia real, oferecendo “uma solução proativa e flexível”, na medida em que concede um “vasto leque de opções e serviços” que melhor se enquadram à atividade do segurado.

O objetivo da francesa é crescer no mercado português. Segundo José Monteiro, a Coface quer “ser a seguradora de crédito mais atrativa do mercado, tanto para os seus clientes, como para os seus fornecedores, colaboradores e acionistas.”

A estratégia para concretizar este objetivo está definida e é clara nas palavras do country manager: continuar na apoiar as empresas portuguesas com as melhores e mais competitivas soluções globais de cobertura de risco de crédito, em colaboração com os seus parceiros locais.

Com presença direta e indireta em 98 países, a Coface segura as transações de cerca de 40 mil empresas em 200 países. A cada trimestre, publica as suas avaliações de risco país para 160 países.

Por Almerinda Romeira/OJE

Este texto integra a 4ª edição do Especial França, que o OJE está a publicar semanalmente

Recomendadas

‘Cyber Monday’ regressa e promete dominar os mercados

A tradição norte-americana tem lugar todos os anos na segunda-feira a seguir à Black Friday e 2022 não é exceção à regra.

PAN propõe incentivos para “representação equilibrada” de género nas empresas

A deputada única do PAN, Inês de Sousa Real, propõe a criação de incentivos à “representação equilibrada” de género nas administrações das sociedades comerciais de forma a “assegurar uma quota mínima” de mulheres “superior a 40%”.

Pré-acordo na Autoeuropa prevê aumento salarial de 5,2% já em dezembro

A Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa anunciou hoje um um pré-acordo com a administração da fábrica de automóveis de Palmela para um aumento extraordinário de 5,2% que anula o aumento de 2% previsto para 2023.