Seguro de proteção ao crédito: saiba para que serve e o que protege

Ao examinarmos as apólices que se encontram no mercado, verificamos que contam com demasiadas restrições e exclusões à ativação das coberturas. 

O seguro de proteção ao crédito é um produto frequentemente sugerido pelas instituições de crédito aquando da contratação de um crédito, com o objetivo acautelar a quebra de rendimentos provocada por uma baixa médica ou hospitalização, desemprego ou atraso no pagamento dos salários.  

Ou seja, a seguradora substitui-se ao segurado no pagamento das prestações do crédito. À partida, parece ser uma proposta de um seguro interessante. Imprevistos podem ocorrer (a pandemia é a prova mais recente desta verdade) e ter repercussões nefastas nos orçamentos familiares. 

Porém existem vários aspetos a ter em conta. Antes de decidir contratar este tipo de produto, o consumidor deverá conhecer e analisar a apólice e esclarecer todas as suas dúvidas.  

Ao examinarmos as apólices que se encontram no mercado, verificamos que contam com demasiadas restrições e exclusões à ativação das coberturas. 

Desde logo, constatamos que a cobertura de desemprego involuntário é exclusiva para trabalhadores por conta de outrem e inclui as situações de despedimento coletivo e extinção do posto de trabalho. 

Na verdade, esta cobertura pode ser acionada quando se verifica uma situação de desemprego involuntário por um período superior a 30 dias, desde que o segurado esteja inscrito no Centro de Emprego e Segurança Social. A seguradora, nestes casos, assume o pagamento das prestações à entidade credora, em regra, até ao limite de seis meses por sinistro e no máximo de doze a 36 meses por contrato, consoante as apólices. 

No caso de incapacidade temporária absoluta para o trabalho (doença) as apólices excluem as doenças neurológicas, deixando assim desprotegidos consumidores mais debilitados. Algumas apólices de seguro excluem ainda as lombalgias, bem como o consumo de álcool ou estupefacientes, sem que haja uma relação direta entre estes factos e o sinistro. 

A incapacidade temporária absoluta para o trabalho por um período superior a 30 dias está presente em todas as apólices. Todavia, algumas apólices impõem uma franquia absoluta de 60 dias, significando que a indemnização só é paga a partir do 61.º dia de baixa médica. 

Informe-se connosco. 

Conte com o apoio da DECO MADEIRA através do número de telefone 968 800 489/291 146 520, do endereço eletrónico deco.madeira@deco.pt. Pode também marcar atendimento via skype. Siga-nos nas redes sociais Facebook, Twitter, Instagram, LinkedIn e Youtube.

Recomendadas

Sabia que as dívidas também prescrevem? Saiba mais sobre estes prazos

Relembramos que existem exceções na lei que podem alterar algum destes prazos. Por isso, o melhor será sempre o consumidor contactar primeiramente entidades que o possam ajudar e não deixar arrastar a situação. 

PremiumOptimize promove conferência que ensina a poupar e investir

Evento promove a literacia financeira, a poupança e o investimento e realiza-se em Lisboa a 3 de dezembro. O JE será media partner.

Crédito pessoal para jovens: 8 dicas para conseguir

O crédito pessoal para jovens pode ser mais difícil de obter, pela instabilidade profissional e baixos rendimentos nesta fase. Saiba o que é necessário.
Comentários