Seguros: Cervantes reconduzido na APROSE

Luís Cervantes foi reconduzido, por unanimidade, à presidência da Direção da Associação Nacional de Agentes e Corretores de Seguros (APROSE), em assembleia-geral realizada no sábado, em Lisboa.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Luís Cervantes foi reconduzido, por unanimidade, à presidência da Direção da Associação Nacional de Agentes e Corretores de Seguros (APROSE), em assembleia-geral realizada no sábado, em Lisboa.

Foram também reeleitos pela lista única concorrente ao sufrágio, para o mandato associativo no triénio 2015-2017, Pedro Rego e Artur Patriarca, respetivamente presidentes da Mesa da Assembleia-Geral e do Conselho Fiscal.

Ao ato eleitoral, antecipado na sequência das assembleias gerais das entidades representativas dos mediadores profissionais e dos agentes e corretores de seguros, realizadas em 25 de junho, em Coimbra, e que determinaram a fusão daquelas estruturas, compareceram 790 associados, representando mais de 63% do universo eleitoral.

Durante o processo de fusão, realizado por incorporação da Associação Nacional dos Agentes e Corretores de Seguros na estrutura dos mediadores profissionais (APROSE), ficou acordado pelos presidentes dos órgãos sociais que a antecipação do processo eleitoral teria por objetivo proporcionar e devolver aos associados da ANACS a possibilidade de integrarem os novos quadros dirigentes. Em resultado das eleições, a nova composição integra elementos da anterior direção, mas também associados que faziam parte da ANACS.

Luís Cervantes refere em nota que o ano de 2015 “ficou marcado pela fusão e o consequente fortalecimento associativo da mediação profissional, mas também pelo aumento da notoriedade dos mediadores através das suas ações junto da sociedade civil, os próximos meses serão marcados pela negociação da alteração da Lei da Mediação”. Acrescenta que a adoção em Portugal da Diretiva da Distribuição de Seguros será um “momento determinante para o fortalecimento da mediação profissional de seguros e uma das missões mais relevantes da próxima direção da APROSE”.

O mesmo programa de ação salienta que serão seguidas as linhas programáticas definidas para o triénio 2014-2016, e que por se manterem atuais prosseguirá a tendência de aumento da notoriedade da mediação junto dos cidadãos, e que tal notoriedade permitirá aumentar o poder negocial junto dos interlocutores, da mesma forma que o seu poder político, para que possa fazer evoluir a legislação junto do Instituto de Seguros de Portugal, da Associação Portuguesa de Seguradores e das próprias seguradoras.

Uma área em concreto, a da formação, é definida como nuclear naquele plano, tal é o papel que lhe é conferido pela Diretiva da Distribuição de Seguros, tida como fundamental para reforçar a profissionalização do setor. De igual forma, também a certificação do mediador profissional APROSE será uma forma de granjear a sua notoriedade e confiança junto dos clientes das seguradoras.

Aumentar o número de associados através de campanhas de captação, otimizar a relação informática e a capacidade de criar uma força de bloqueio contra eventuais medidas discricionárias que possam ser impostas serão outras das áreas de atuação. Diz ainda que “fazer passar a mensagem na comunicação digital e nas redes sociais constitui importante foco de atenção para a necessidade de estreitamento da relação do mediador profissional com o cliente, num contexto em que as seguradoras estão a reduzir a sua capacidade instalada, seja em número de escritórios, seja na adoção de outsourcing, com passagem de vários serviços para call centers.”

OJE

Recomendadas

Portugueses vão produzir hidrogénio verde na Califórnia

O investimento vai ser de 175 milhões de euros.

Região de Coimbra vai beneficiar de novos espaços de ‘cowork’

O projeto, financiado pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), tem como objetivo “promover modos mais ágeis e flexíveis de desempenho do trabalho em funções públicas, designadamente através do teletrabalho, como potenciador da melhoria da conciliação da vida pessoal e profissional e reforço da atratividade”.

EDP Renováveis e Vestas instalam as maiores turbinas eólicas da Península Ibérica

O parque fornecerá energia suficiente para cobrir as necessidades de eletricidade de aproximadamente 27 mil pessoas, avança a EDP Renováveis em comunicado.