Seis anos depois do atentado de Nice começa o julgamento em Paris (com áudio)

Seis anos depois, na sala originalmente construída para julgar o processo dos atentados do Bataclan, no Palácio de Justiça de Paris, vão ser julgadas oito pessoas ligadas ao autor do atentado, o tunisino Mohamed Lahouaiej-Bouhlel, de 31 anos, que morreu ao ser baleado pela polícia no local.

Oito acusados no caso do atentado na cidade francesa de Nice em 2016 vão sentar-se a partir de hoje no banco dos réus, entre eles conhecidos do terrorista radical islâmico que fez 86 mortos e 450 feridos.

Cumpria-se mais um feriado do 14 de julho em Nice (sul) em 2016, com o afamado Passeio dos Ingleses cheio de famílias que vinham ver o fogo de artifício, quando um camião aparentemente descontrolado foi direito à multidão e atropelou indiscriminadamente quem estava nesta avenida, onde o trânsito estava cortado à circulação. O atentado foi reivindicado pelo Daesh.

Seis anos depois, na sala originalmente construída para julgar o processo dos atentados do Bataclan, no Palácio de Justiça de Paris, vão ser julgadas oito pessoas ligadas ao autor do atentado, o tunisino Mohamed Lahouaiej-Bouhlel, de 31 anos, que morreu ao ser baleado pela polícia no local.

Entre os oito acusados há sete homens e uma mulher, suspeitos de associação terrorista, sendo que muitos deles conheciam a progressiva radicalização de Lahouaiej-Bouhlel e o seu fascínio pela jiade, embora aleguem desconhecer o seu plano de atentado.

Metade dos acusados são franco-tunisinos e os outros são albaneses, sendo que estes últimos terão fornecido as armas de fogo usadas no ataque.

Um dos acusados não estará presente, porque fugiu para a Tunísia, e um nono acusado suicidou-se na sua cela, na prisão de Fleury-Mérogis, em junho de 2018. Do lado das vítimas, 865 pessoas constituíram-se como parte civil.

Este foi um atentado que marcou particularmente os franceses, já que foram mortas cerca de 15 crianças e adolescentes.

Muitas crianças que sobreviveram ao ataque sentem até hoje os traumas daquela noite em 2016, tendo sido criada uma célula especial de atendimento em Nice para prestar apoio a estes menores.

Devido ao facto de a maior parte das vítimas estar em Nice, as audiências serão retransmitidas para esta cidade, onde cerca de 500 pessoas vão poder assistir ao julgamento a partir do Palácio de Congressos de Nice.

Tal como no processo do Bataclan, estará disponível uma retransmissão segura em áudio para todas as famílias e vítimas.

O julgamento deve durar cerca de três meses, até às férias do Natal em dezembro.

Recomendadas

Irão: Guarda Revolucionária ataca grupos curdos no Iraque

A poderosa Guarda Revolucionária do Irão desencadeou hoje uma onda de ataques com ‘drones’ e artilharia no norte do Iraque, visando o que Teerão diz serem bases de separatistas curdos iranianos, indicou agência noticiosa semioficial Tasnim.

António Guterres pede fim da “era da chantagem nuclear” e apela a “recuo”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, apelou hoje ao fim da “era da chantagem nuclear”, afirmando que o uso de armas nucleares levaria a um “armageddon humanitário”, tornando necessário um “recuo” face às atuais tensões.

Ucrânia. Reino Unido sanciona organizadores de “referendos fraudulentos”

O Reino Unido anunciou hoje sanções contra 33 indivíduos ligados a “referendos fraudulentos” sobre a integração na Rússia de regiões da Ucrânia sob ocupação russa.
Comentários