Seis supermercados e dois fornecedores de bebidas multados em 304 milhões de euros pela Autoridade da Concorrência

As empresas acusadas de concertação de preços em prejuízo do consumidor foram Modelo Continente, Pingo Doce, Auchan, Intermarché, Lidl, E. Leclerc, Central de Cervejas e Primedrinks.

A Autoridade da Concorrência (AdC) informou esta segunda-feira que emitiu a primeira decisão condenatória oriunda da investigação a operadores de distribuição, tendo aplicado uma multa de 304 milhões de euros ao Modelo Continente, Pingo Doce, Auchan, Intermarché, Lidl, Cooplecnorte (responsável pelo E. Leclerc), Sociedade Central de Cervejas (SCC) e Primedrinks.

Em causa está a concertação de forma indireta, dos preços de venda, uma prática prejudicial aos consumidores, para os fazer subir de forma gradual e progressiva no mercado do retalho. “Através do recurso a um fornecedor comum as empresas participantes asseguravam o alinhamento dos seus preços de venda ao público, assim restringindo a concorrência pelo preço entre supermercados e privando os consumidores de preços diferenciados”, explicou a AdC.

Os distribuidores e a Primedrinks terão concertado preços de produtos como cervejas Sagres e Heineken, cidra Bandida do Pomar e Água do Luso durante mais de nove anos, entre 2008 e 2017. A prática de fixação indireta de preços de venda ao consumidor envolveu também vinhos do produtor Esporão e Aveleda, os whiskies The Famous Grouse ou Grant´s, o gin Hendrick’s ou ainda o vodka Stolichnaya, ao longo de mais de dez anos, entre 2007 e 2017.

A AdC, que fez a comunicação destas acusações em março de 2019 e deu oportunidade de audição e defesa às retalhistas, acusou também dois responsáveis individuais: um administrador da SCC e um diretor de unidade de negócio da Modelo Continente.

A Primedrinks foi a primeira visada a responder a esta acusação final, garantindo que não se revê nesta decisão da AdC e, no exercício do direito de defesa, irá recorrer da mesma “para, convicta da sua razão, repor o seu bom nome e a verdade dos factos”, segundo um comunicado enviado esta tarde à imprensa.

“Trata-se das primeiras condenações em Portugal por uma prática concertada de fixação indireta entre empresas de distribuição através da coordenação por fornecedores no âmbito das investigações iniciadas pela AdC em 2017 e visam grupos que representam grande parte do mercado da grande distribuição a retalho, afetando assim, a generalidade da população portuguesa”, refere a entidade liderada por Margarida Matos Rosa.

Para se perceber a dimensão desta coima, é quase do mesmo montante que todas as multas aplicadas em 2019 no sector das bebidas, seguros, banca e energia, que ascenderam aos 351 milhões de euros. Contudo, a autoridade admite que estas situações – que na terminologia do direito da concorrência se designam de hub-and spoke – ainda possam estar a ocorrer.

Notícia atualizada às 17h58

Concorrência acusa Modelo Continente, Pingo Doce, Auchan e Active Brands de concertarem preços

Relacionadas

“É esse o objetivo: aumentar preços! Keep going!”. As trocas de emails entre as empresas multadas pela Concorrência

A Pimedrinks, uma das visadas, diz que “não se revê” na multa de sete milhões de euros que lhe foi aplicada e vai recorrer da decisão da autoridade.

Central de Cervejas “desapontada” com multa da Autoridade da Concorrência

Explica a Central de Cervejas que se sente “desapontada com esta decisão” uma vez que a AdC “aparentemente, não aceitou os argumentos apresentados oportunamente pela empresa.
Recomendadas

“Taxa Amazon”. Barcelona prepara-se para taxar empresas de entregas

A cidade espanhola deverá aplicar uma taxa às empresas que circulem no espaço público para entregar encomendas online. Medida abrange empresas com mais de um milhão de euros em receitas anuais e deverá encaixar cerca de 3 milhões nos cofres da autarquia.

ORES Portugal compra três hipermercados por 26,2 milhões que alugará ao Continente (com áudio)

Os três ativos imobiliários são objeto de contratos de arrendamento de longa duração com o Continente, do grupo Sonae, segundo um comunicado da SIGI do Bankinter e da Sonae Sierra.

Minipreço diz que lança o primeiro saco de plástico que protege os oceanos, mas é virtual

A cadeia de supermercados Minipreço, no sentido de alertar para a imprescindibilidade de reduzir o consumo de plástico, nomeadamente sacos e descartáveis, diz que foi criado “um saco de plástico virtual que, ao invés de prejudicar a natureza, auxilia na sua preservação através de donativos”.
Comentários