Premium“Sem ovos, não há omeletes”. Patrões querem apoios ao salário mínimo

O assunto ainda não foi à Concertação Social, mas os patrões já avisam: são precisos apoios face à subida do salário mínimo.

Conquistada a maioria absoluta, António Costa prometeu que esta seria uma legislatura de diálogo, mas, muito antes de discutir a evolução do salário mínimo nacional na Concertação Social, já estava a indicar que este deverá subir para 750 euros em 2023.

Trata-se de uma “decisão política assumida pelo Governo”, salienta Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), que garante que, ainda assim, não se irá opor a essa atualização. Já a Confederação Empresarial de Portugal (CIP) e a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) apelam à discussão da trajetória do saláro mínimo. Em comum, CAP, CIP e CCP têm um pedido: são necessários apoios para acompanhar o novo aumento da retribuição mínima garantida.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

“Senhor PRR” alerta que guerra e inflação são riscos acrescidos ao plano

O novo presidente da Comissão Nacional de Acompanhamento do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) considera que a guerra na Ucrânia e a inflação são riscos acrescidos ao plano que precisam de estratégias para serem mitigados.

Pedro Dominguinhos é o novo presidente da comissão de acompanhamento do PRR

A Comissão Nacional de Acompanhamento do PRR era presidida por António Costa Silva, que entretanto tomou posse como ministro da Economia e do Mar no atual Governo.

PremiumIndefinição no SEF gera críticas pela degradação do serviço

Novo adiamento da extinção do SEF leva partes interessadas a questionarem a degradação dos serviços. Agendamentos para reagrupamento familiar chegam a demorar um ano a marcar.
Comentários