Premium“Sem ovos, não há omeletes”. Patrões querem apoios ao salário mínimo

O assunto ainda não foi à Concertação Social, mas os patrões já avisam: são precisos apoios face à subida do salário mínimo.

Conquistada a maioria absoluta, António Costa prometeu que esta seria uma legislatura de diálogo, mas, muito antes de discutir a evolução do salário mínimo nacional na Concertação Social, já estava a indicar que este deverá subir para 750 euros em 2023.

Trata-se de uma “decisão política assumida pelo Governo”, salienta Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), que garante que, ainda assim, não se irá opor a essa atualização. Já a Confederação Empresarial de Portugal (CIP) e a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) apelam à discussão da trajetória do saláro mínimo. Em comum, CAP, CIP e CCP têm um pedido: são necessários apoios para acompanhar o novo aumento da retribuição mínima garantida.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Adjudicados últimos seis lotes do concurso para fornecimento de serviços à rede SIRESP

O concurso para fornecimento de serviços à rede de emergência SIRESP foi concluído na segunda-feira, antes do prazo, com a adjudicação dos restantes seis lotes, anunciou hoje a empresa que gere o sistema.

Há um “caminho longo” a percorrer no envelhecimento ativo, diz a ministra da Coesão Territorial

“Sabemos hoje mais sobre as maleitas dos mais velhos e sabemos como as evitar”, sublinhou Ana Abrunhosa, reiterando que “todos queremos envelhecer com qualidade”.

Apoio às famílias pode mitigar desaceleração da economia, prevê Fórum para a Competitividade

O pacote de apoios preparado pelo Governo como resposta à inflação pode mitigar a desaceleração da economia, mas o próximo ano apresenta-se repleto de riscos de desafios. Salários reais devem voltar a cair, prevê o Fórum para a Competitividade.
Comentários