Emília Vieira: “Sem poupança nunca somos donos do nosso destino”

Emília Vieira considera que a baixa taxa de poupança prende-se com a incapacidade de esperar por retornos maiores no longo-prazo. Mas a educação pode inverter a situação, garante a CEO da Casa de Investimentos, ao Jornal Económico.

A falta de poupança de hoje condena o nosso bem-estar financeiro no futuro, disse a CEO da Casa de Investimentos, Emília Vieira, numa entrevista por escrito ao Jornal Económico. A gestora aborda os problemas que a baixa taxa de poupança atual que se regista em Portugal acarreta para as famílias e para a economia. “Poupar não tem de ser complexo”, frisou a CEO da Casa de Investimentos, que privilegia o investimento em ações, numa lógica de (muito) longo-prazo, tendo em conta o valor intríseco das empresas.

Emília Vieira defende que é crucial alterar os hábitos de poupança em Portugal e dá a receita: a educação. “Os hábitos de poupança devem ser incutidos em idades precoces, realçando a vantagem de não usarmos no imediato todos os recursos à nossa disposição, mantendo a liberdade para tomarmos decisões no futuro”, explicou.

O que explica a baixa taxa de poupança em Portugal?
“Poupar é o custo de oportunidade de um futuro mais próspero”. Esta frase, da autoria de Ana Tostão e que foi uma das vencedoras do passatempo “Poupar é …” que desenvolvemos recentemente com o Jornal Económico, ajuda a responder a essa pergunta. Na decisão de poupar, há efetivamente uma escolha a fazer entre o “eu presente” e o “futuro eu”. Quando poupamos, estamos a privilegiar o segundo a expensas do primeiro. Acontece que a nossa psicologia de humanos nos leva a sobrevalorizar os benefícios fruíveis no agora. Como se isto não bastasse, vivemos tempos que só reforçam a inclinação para o imediatismo. Se já não aceitamos bem esperar quinze minutos por um transporte urbano, como teremos paciência para aguardar anos pela materialização de uma promessa de vantagens? Por último, o contexto dos últimos anos de taxas de remuneração muito baixas nas aplicações que os portugueses ainda privilegiam, também não tem constituído motivação para a poupança.

Trata-se de problema que afeta todas as gerações de forma transversal?
Os estudos disponíveis não são muito esclarecedores relativamente a como se distribui, em Portugal, a poupança entre as diferentes gerações e é prudente termos algumas reservas relativamente a generalizações. Contudo, há indícios de diferenças relativamente à forma como, em termos agregados, os indivíduos de diferentes gerações se relacionam com o dinheiro, com os segmentos da população com mais de 34 anos a terem mais apego à propriedade e à detenção de bens e os segmentos mais recentes a conviverem muito naturalmente com o “as a service”, o aluguer circunstancial de produtos que não detêm. Dentro destes, a geração Y (também conhecida por “millennials” e hoje com idades entre os 18 e os 34 anos) parece revelar particular propensão para canalizar os rendimentos para a miríade de contribuições e subscrições que lhe dão prazer, propósito ou sentido de pertença no imediato, enquanto a geração seguinte (Z) dá, curiosamente, alguns sinais de maior apetência para a formação de poupança.

Como aumentar a taxa de poupança das famílias?
Excetuando os casos de famílias que não tenham acesso a rendimentos que permitam um nível de vida digno ou enfrentem despesas de dimensão material que escapem ao seu controlo, poupar não tem nada de complexo. O problema é que, embora simples, isto é difícil de executar, pois contraria a natureza humana, ao exigir a capacidade de conter os impulsos do agora em prol de um bem mais distante no futuro. Os hábitos de poupança devem ser incutidos em idades precoces, realçando a vantagem de não usarmos no imediato todos os recursos à nossa disposição, mantendo a liberdade para tomarmos decisões no futuro. É importante evidenciar a flexibilidade que nos permite e que nos torna mais livres, mais donos do nosso futuro. Tão simples como podermos fazer escolhas e cumprir sonhos que vamos construindo ao longo da vida.

A literacia financeira poderia contribuir para o aumento da poupança…

Acredito sinceramente que a educação é o grande motor de transformação de uma sociedade. Na minha carreira de 30 anos a trabalhar em educação e mercados financeiros, tenho visto pessoas com rendimentos modestos acumularem valores substanciais de riqueza. A acumulação de riqueza depende muito mais do que poupamos e da disciplina com que o fazemos ao longo da vida do que de quanto ganhamos. Poupar todos os dias tem um impacto enorme a longo prazo.

Mas porque é importante para a economia e para as famílias aumentar a taxa de poupança?
Para as famílias, a poupança é uma condição necessária ao investimento o qual, se for oportuno e bem realizado, conduz à conquista e à preservação da independência financeira. Sem esta, nunca seremos verdadeiramente livres, nem donos do nosso destino, em qualquer das diferentes dimensões da nossa vida – familiar, profissional e social. Já quanto à economia, a poupança é o garante dos meios que permitem reduzir o endividamento e realizar investimentos potenciadores da sua capacidade competitiva. Se não reduzir o seu endividamento, uma economia fica refém dos credores e dos humores dos mercados financeiros; se não investir, deixa de crescer, momento em que, como acontece com os organismos, começa a definhar.

Em que ativos recomenda investir com vista a aumentar a poupança dos portugueses no longo-prazo?
A sua pergunta está muito bem colocada porque esclarece o horizonte temporal de investimento. A mais de cinco anos, desejavelmente a mais de dez, se possível para sempre, e sob uma estratégia orientada ao valor intrínseco dos negócios subjacentes aos títulos, não vacilamos em recomendar as ações – a classe de ativos que melhor tem remunerado os investidores. Realço que investir em ações de boas empresas mundiais é ter direito aos lucros que estas empresas ganham. Por isso, para proteger os valores que investimos procuramos comprar ações de empresas sólidas a preços baratos. Esta é a receita para ter os valores aplicados de forma segura e com melhor rentabilidade. A Casa de Investimentos fez recentemente nove anos. A rentabilidade acumulada é de 123,84%. Isto significa 9,37% ao ano, em média.

Recomendadas

Empresas precisam de mudanças que deem sinal de esperança, diz bastonária dos contabilistas

Paula Franco tem “expectativa” de que no próximo Orçamento do Estado sejamos “surpreendidos com medidas que aumentem a confiança”.

Governo quer prolongar Programa Regressar e aumentar o benefício do IRS Jovem

O Governo quer prolongar o regime fiscal associado ao programa Regressar e aumentar o benefício anual do IRS Jovem, segundo a proposta do acordo de rendimentos e competitividade que está a ser hoje discutida na Concertação Social.

Apoios às famílias: “Vamos até onde podemos ir”, diz Medina

O ministro das Finanças é ouvido esta quarta-feira pelos deputados da Comissão de Orçamento e Finanças da Assembleia da República. Fernando Medina fala nesta comissão uma semana depois de ter sido apresentado o pacote de medidas de apoio às famílias e a menos de um mês do prazo de entrega da proposta de Orçamento do Estado para 2023 (OE2023).
Comentários