Senado norte-americano reconhece genocídio arménio

O senado aprovou por unanimidade uma resolução que reconhece como genocídio os assassinatos em massa de arménios em 1915. A reação da Turquia piorou ainda mais o ambiente entre os dois países.

O senado norte-americano aprovou por unanimidade uma resolução que reconhece como genocídio os assassinatos em massa de arménios perpetrados pelo Império Otomano na altura da I Grande Guerra, em especial ao longo do ano de 1915.

A Turquia condenou a resolução, dizendo que ela não ajudará a melhorar as relações com os Estados Unidos. Os dois aliados na NATO já estão em desacordo em várias questões, incluindo a compra de sistemas de armamento de defesa russos por parte de Ancara e a políticas sobre a Síria.

A Câmara dos Deputados, liderada pelos democratas, aprovou a resolução por uma maioria esmagadora em outubro. Mas uma votação no Senado foi repetidamente bloqueada pelos senadores republicanos, a mando, dizem os jornais, do presidente Donald Trump.

“Ao aprovar a resolução sobre do genocídio arménio, o Senado finalmente levantou-se para confirmar a história”, disse o senador democrata Bob Menendez, um dos co-autores da legislação.

A Turquia aceita que muitos arménios que viveram no Império Otomano foram mortos em confrontos com as forças otomanas durante a I Guerra Mundial, mas contesta os números (1,5 milhões, segundo a maioria dos fontes ocidentais) e nega que os assassinatos tenham sido sistematicamente orquestrados e constituam um genocídio.

“Em todas as tentativas anteriores de politizar a história por alguns membros do Congresso dos Estados Unidos, reiterámos a nossa posição de formar um grupo para estudar o assunto”, disse Fahrettin Altun, diretor de comunicações da Turquia, num twit em resposta à resolução. “A história observará essas resoluções como ações irresponsáveis ​​e irracionais de alguns membros do Congresso dos Estados Unidos contra a Turquia”, disse Altun.

Por seu turno, Ibrahim Kalin, porta-voz da presidência turca, disse que a Turquia “condenou e rejeitou fortemente” a resolução – tal como havia sucedido a quando da resolução no congresso e tal como aconteceu quando a Alemanha decisdiu adotar uma resolução idêntica.

A Casa Branca não queria que a resolução avançasse enquanto negociava com Ancara em questões delicadas.

Recomendadas

Ucrânia: Biden diz que aliados da NATO não serão “intimidados” por Putin

O Presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou hoje que os Estados Unidos e seus aliados não se deixarão “intimidar” pelo seu homólogo russo Vladimir Putin, e prometeu que a NATO defenderá “cada centímetro” do seu território.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Grupo de direitos das mulheres apela à FIFA que exclua Irão do Campeonato do Mundo

“Por que a FIFA daria ao Estado iraniano e aos seus representantes um palco global, enquanto não apenas se recusa a respeitar os direitos humanos e dignidades básicos, mas atualmente está a torturar e matar o seu próprio povo?”, questionam na carta enviada ao representante do organismo.
Comentários