Senador e ex-candidato à Casa Branca John McCain hospitalizado devido a tumor

O senador e ex-candidato republicano à Casa Branca John McCain foi hospitalizado na quarta-feira, nos arredores de Washington, devido aos “efeitos secundários normais” resultantes do tratamento contra o cancro, informou o seu gabinete.

“O senador McCain está a receber tratamento no Centro Médico Walter Reed pelos efeitos secundários normais derivados da terapia contra o cancro”, disse, em comunicado, o seu gabinete no Senado.

O Centro Médico Walter Reed é uma instituição militar localizada em Bethesda, um subúrbio de Washington, no estado de Maryland.

McCain, de 81 anos, foi diagnosticado em julho com um tumor cerebral depois de uma intervenção para lhe extrair um coágulo de sangue, no estado do Arizona.

Desde então tem sido tratado com quimioterapia e radioterapia.

Poucos dias depois do diagnóstico, McCain atrasou o início do seu tratamento para votar, juntamente com outros dois republicanos, contra a derrogação do Obamacare, do ex-Presidente norte-americano Barack Obama, contrariando os planos de Donald Trump, que queria pôr fim à reforma na Saúde implementada pelo antecessor.

McCain combateu na guerra do Vietname, durante a qual foi prisioneiro durante mais de cinco anos, é senador pelo Arizona desde 1987, e em 2008 perdeu as eleições para a Casa Branca para Barack Obama.

Recomendadas

Consórcio confirma existência de petróleo em São Tomé e Príncipe

O consórcio é composto pela Galp STP (operador) com 45% de interesses participativos, Shell STP com 45%, e a ANP–STP, em representação do Estado são-tomense, com 10% de interesses participativos.

Bósnia-Herzegovina: eleições ensombradas por milhares de votos inválidos

Quatro dias após as eleições, ainda não há resultados validados e o risco do não reconhecimento do ato eleitoral ou da sua repetição é grande. Entretanto, na República Srpska, Mirolad Dodic jura fidelidade a Moscovo.

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.
Comentários