Separatistas pró-russos de Lugansk começaram a enviar cereais ucranianos para a Rússia

A TASS cita declarações do líder separatista de Lugansk, Leonid Pásechnik, à imprensa russa em Staroblisk, ocupada por milícias pró-russas e tropas russas na sequência da invasão da Ucrânia pela Rússia, em 24 de fevereiro.

Yehor Milohrodskyi/Unsplash

Os separatistas pró-russos da autoproclamada república de Lugansk começaram hoje a enviar 650 toneladas de grãos ucranianos para a Rússia a partir da cidade de Staroblisk, no norte da região, noticiou a agência oficial russa TASS.

A TASS cita declarações do líder separatista de Lugansk, Leonid Pásechnik, à imprensa russa em Staroblisk, ocupada por milícias pró-russas e tropas russas na sequência da invasão da Ucrânia pela Rússia, em 24 de fevereiro.

A cidade está localizada a cerca de 60 quilómetros a nordeste de Severodonetsk, atualmente palco de intensas batalhas entre o Exército ucraniano e os invasores russos.

A Ucrânia denunciou o roubo de grãos ucranianos pela Rússia como saque ilegal dos seus recursos.

O assessor do chefe da administração pró-Rússia de Staroblisk, Pavel Kharlamov, disse à TASS que o grão é enviado para a Rússia por via ferroviária.

Aquele dirigente acrescentou que, em dois meses, Staroblisk enviará cerca de 200.000 toneladas de trigo e semente de girassol para a Rússia, que supostamente pagará aos agricultores pela “venda” dos seus produtos.

“Restauramos a ferrovia, que conduz ao maior silo de grãos da região, mas que não funciona há oito anos, e trouxemos os equipamentos necessários”, explicou o assessor.

“Houve um problema com o material circulante, mas foi resolvido: há cerca de 600 comboios de carga que foram montados com peças recolhidas em todo o norte do Cáucaso e no do Distrito Federal Sul”, da Rússia, concluiu.

Recomendadas

Bruxelas prepara plano de emergência para precaver corte total de gás russo (com áudio)

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, anunciou hoje perante o Parlamento Europeu que o seu executivo vai apresentar este mês um plano de emergência europeu para precaver um eventual corte total de fornecimento de gás russo.

Modelo, atriz e sniper. Quem era a brasileira que perdeu a vida na Ucrânia?

Thalita do Valle, de 39 anos, lutava ao lado das forças ucranianas em Kharkiv. A cidade foi atacada e a mulher não resistiu.

Erdogan vai “intensificar” negociações para garantir exportação de cereais da Ucrânia

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse esta terça-feira que pretende “intensificar” as negociações com Rússia e Ucrânia para garantir um acordo sobre o plano da ONU para a exportação de cereais ucranianos para o mercado mundial.
Comentários