Ser bom ou ser conhecido?

Num país como Portugal, em que ter um bom emprego é muitas vezes sinónimo de quem se conhece e está disposto a abrir portas do que de provas dadas, será que ainda nos preocupamos em ser “bons profissionais”?

Na azáfama do dia-a-dia raramente pensamos como vivemos. O contexto é importante, isto é, a área profissional, o país, a região, a personalidade dos colegas e chefes, etc., mas nem sempre é claro como racionalizamos tudo isto. Num país como Portugal, em que para se ter um emprego, especialmente um bom, é muitas vezes sinónimo de quem se conhece e está disposto a abrir portas do que de provas dadas, será que ainda nos preocupamos em ser “bons profissionais”?

Falo, claro, sobre quem ainda está em início de carreira e pouco relacionado com profissões ditas técnicas… Mesmo assim, e ainda aí, os factores são vários e deixam quem está de fora um pouco confuso. Num mercado global, o mundo ainda não é, para o bem e para o mal, tão global quanto isso. Portanto, e para aqueles que ficam em Portugal a tentar fazer a sua vida, ser bom ou ser conhecido pode ser, por si só, um grande dilema.

Olho para a Universidade e continuo a ver o reflexo do país, pequeno, às vezes tacanho outras vezes inovador (ainda pouco para meu descontentamento), acessível. Apresento-vos alguns exemplos que são ainda assim ilustradores do que muito ali vai. E aviso: o comportamento é transdisciplinar e pobre, com vícios que ainda temos que combater. Partilhar trabalho, informação, dados – algo que na investigação é, ou deveria ser, a principal bandeira – é todos os dias um risco, especialmente para aqueles que não têm acesso a Universidades de topo (por exemplo, em Lisboa).

Se, por um lado, este acumular de saber é uma empresa colectiva, por outro, dá-se mais valor ao indivíduo, especialmente quanto mais notório for o seu resultado. Assim, não raras vezes se anunciam genialidades cheias de buracos e buracos cheios de genialidade. Atenção esta não é uma realidade de “coitadinhos” nem única e exclusivamente uma nossa realidade. De todo. Aqui vê-se melhor, porque os nomes, as elites regionais, o carimbo dos casamentos, das relações, das escolas são todos mais fáceis de reconhecer. E o que há de errado nisto? Em princípio nada, em princípio tudo quando afecta o desenvolvimento de um país, melhor hoje, acredito, mas ainda tão centrado em si mesmo nestes aspectos.

Continuamos neste círculo infinito onde questionamos todos os dias se o que conta mais é ser bom ou ser conhecido. Na impossibilidade de escolher ambos, prefiro a primeira, mas sei bem que a realidade demonstra que é a segunda opção a mais eficaz.

A autora escreve segundo a antiga ortografia.

Recomendadas

Os seis efeitos nas eleições de 2022 em Angola

O primeiro efeito é o fim da maioria qualificada do MPLA. O que significa que nenhum partido consegue per se realizar uma revisão da Constituição e que a UNITA passou a ter o poder de vetar qualquer projecto de alteração constitucional.

Mudar o futuro coletivo

Os professores devem assumir um papel ativo nas novas abordagens pedagógicas. Só desta forma será possível responder às questões de fundo do século XXI.

O Orçamento do Estado para 2023 e as empresas

A proposta de Orçamento do Estado para 2023 vai ser conhecida no próximo mês e os temas relacionados com as empresas prometem ser um dos pontos fortes do documento, a começar por uma eventual descida do IRC.
Comentários