Serviços financeiros? “Agora podemos fazer as coisas de forma diferente”, diz ministro britânico

“Agora que deixamos a União Europeia, podemos fazer as coisas de forma um pouco diferente (nos serviços financeiros)”, disse este domingo o ministro das Finanças do Reino Unido, Rishi Sunak.

O Brexit permitirá ao Reino Unido “fazer as coisas de forma diferente” nos serviços financeiros, disse este domingo o ministro das Finanças britânico, três dias depois de Londres e Bruxelas terem chegado ao tão esperado acordo comercial. No entanto, Rishi Sunak garante que irá cooperar com a União Europeia na abordagem ao sector.

“Agora que deixamos a União Europeia, podemos fazer as coisas de forma um pouco diferente (nos serviços financeiros)”, disse o ministro aos jornalistas, segundo reporta a Reuters.

A partir do próximo dia 1 de janeiro, os grupos de serviços financeiros com sede no Reino Unido perdem o acesso automático ao mercado único da União Europeia. O novo acesso deverá ser negociado fora do acordo comercial, noutros documentos para esse efeito, com termos de equivalência específicos.

A União Europeia e o Reino Unido chegaram a um acordo pós-Brexit na véspera de Natal e no dia seguinte Michel Barnier esteve a informar os embaixadores e diplomatas sobre os termos específicos desse deal.

O acordo tem quase 2 mil páginas, incluindo aproximadamente mil páginas de anexos e notas de rodapé, mas ainda não foi publicado na versão integral. Os deputados britânicos continuam à espera de ler o texto completo, o que terá acontecer antes da votação no Parlamento que se realiza a 30 de dezembro. O principal negociador comercial do Reino Unido, Lord Frost, diz que o acordo – que o Parlamento Europeu também ainda tem de ratificar – será divulgado em breve.

Para a presidente da Comissão Europeia, atingiu-se um acordo “justo e equilibrado”, ao fim da travessia de uma estrada “longa e sinuosa. “As negociações foram muito difíceis. Mas com tanto em jogo, para tantos, este era um acordo pelo qual valia a pena lutar. Temos de evitar grandes mudanças para os trabalhadores, empresas e viajantes depois de 1 de janeiro de 2020. Isso protegerá os interesses europeus. É também, creio eu, o interesse do Reino Unido”, referiu Ursula Von der Leyen na conferência de imprensa desta quinta-feira.

Relacionadas

A sete dias do prazo final para a saída do Reino Unido, há finalmente acordo para o Brexit

Após meses de duras negociações, há fumo branco na questão do acordo de saída do Reino Unido da União Europeia. Apenas sete dias antes do final do prazo, Bruxelas e Londres finalmente chegaram a um entendimento para uma saída ordenada da Grã-Bretanha do bloco europeu.

Reino Unido e União Europeia chegam a acordo para estadias curtas

O Reino Unido irá permitir o acesso sem visto aos cidadãos europeus que queiram realizar estadias curtas no país, num máximo de 90 dias seguidos e 180 dias por ano.

Reino Unido também abandona programa Erasmus como parte do acordo do Brexit

O Reino Unido abandonará também o programa Erasmus como parte do acordo agora atingido para a saída da União Europeia, uma decisão “difícil”, salienta Boris Johnson, mas para a qual o país apresentará já uma alternativa.
Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

PRR, mesmo sem inflação, sofreria dos mesmos problemas

Execução da bazuca enfrentaria dificuldades com burocracia e mudanças na economia global, reforçando papel dos contabilistas.

Tecnologia torna “obsoletos” problemas dos contabilistas

No último ano, as empresas tecnológicas têm investido em soluções mais inovadoras para os gabinetes de contabilidade. A PHC Software e a Sage são exemplos, com novos ‘add-ons’ ou arquivos digitais.
Comentários