Servilusa vai investir um milhão de euros em novo crematório em Leiria

O projeto da Servilusa, atualmente em fase de elaboração de projetos de especialidade, começa a ser edificado no início do próximo ano, estando prevista a inauguração no outono de 2018.

A Servilusa venceu o concurso para a construção e gestão da concessão, por 20 anos, de um crematório em Leiria, correspondente a um investimento de cerca de um milhão de euros.
O concurso para o crematório de Leiria foi lançado em julho de 2017, pela CIMRL – Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria, e o projeto da Servilusa, atualmente em fase de elaboração de projetos de especialidade, começa a ser edificado no início do próximo ano, estando prevista a inauguração no outono de 2018.
De acordo com o diretor-geral de negócio da Servilusa, Paulo Moniz Carreira, “a cremação é uma área de intervenção-chave, uma vez que esta opção representa cerca de 17% dos funerais realizados no país, ultrapassando em algumas regiões os 50%, tendo registado uma taxa de crescimento anual na ordem dos 14%”.
“Este crescimento prevê-se que prossiga, não só porque existem mais equipamentos, mas também porque é uma opção cuja procura vai continuar a evoluir”, garante aquele responsável.
Paulo Moniz Carreira refere ainda que “existia, de resto, alguma pressão por parte da comunidade da região de Leiria, que estava obrigada a deslocar-se à Figueira da Foz para aceder ao serviço”.
Segundo um comunicado da empresa, “a Servilusa jogou forte para sair vencedora nesta aposta, que é estratégica para o crescimento da empresa”.
A Servilusa é reclama a liderança no setor funerário do país, sendo detida a 100% pela empresa Mémora.
A empresa tem 59 agências em todo o país, seis crematórios e cerca de 300 trabalhadores nos seus quadros.
Em 2016, a empresa alcançou uma faturação na ordem dos 23,8 milhões de euros e realizou mais de 5.900 serviços funerários.
Recomendadas

Lagarde avisa que taxas de juro vão continuar a subir

Dados da inflação na zona euro em novembro vão ser conhecidos esta semana. BCE reúne-se em meados de dezembro.

Cáritas já recebe pedidos de quem não consegue pagar empréstimo da casa

“O pânico foi imediato. O receio das pessoas, a angústia com que se aproximavam de nós a dizer ‘ai, se eu perco a minha casa’. É que nós tivemos uma crise em que houve muita gente a perder a casa; é recente ainda, está na memória das pessoas – 2008”, afirmou Rita Valadas.

Expectativas de exportação na Alemanha aumentam em novembro, diz Ifo

Depois de uma queda no mês anterior, a indústria automóvel volta a ter expectativa de crescimento nas exportações.
Comentários