Sete ideias de investimento que podem trazer retorno inesperado

Com o mercado de ações a flutuar, Maxim Manturov, Head of Investment Advice na Freedom Finance Europe, explora sete ações subvalorizadas, que permitem aos investidores diversificar o seu portfolio.

 

Se o seu objetivo de investimento é gerar retornos acima do mercado, existem trade-offs e certos riscos que terão de ser assumidos. Uma carteira financeira deve combinar todos os tipos de ativos, desde ações, para a geração de rendimentos estáveis, a títulos subvalorizados com potencial, para ganhos elevados.

As ações subvalorizadas são títulos cujo valor real, de acordo com relatórios de peritos financeiros, é superior ao valor de mercado. Devem valer objetivamente mais e faz sentido que os investidores que procuram aumentar o seu capital adicionem ações de algumas dessas empresas às suas carteiras.

Uma carteira de ações de empresas subavaliadas. 

O investimento em empresas subavaliadas acarreta riscos. Para os investidores conservadores, é suficiente adicionar parcialmente tais ativos a uma carteira. Contudo, aqueles que esperam o maior retorno possível, podem construir uma carteira de crescimento agressivo. Com isto em mente, a Freedom Finance Europe selecionou sete empresas cujas ações estão atualmente subavaliadas.

1. Advanced Micro Devices (AMD)

A 14 de fevereiro de 2022, a AMD concluiu a aquisição da Xilinx. Esta aquisição torna possível o aumento dos ganhos da empresa e o seu free cash flow. A 4 de abril de 2022 teve lugar uma segunda aquisição desta vez da empresa Pensando, que irá acelerar a presença da AMD nos mercados cloud, empresarial, e de aplicações periféricas.

Estão previstas outras aquisições, que irão impulsionar o crescimento das receitas da AMD, e é provável que os investidores subestimem as suas receitas e o seu potencial de lucro. Por outro lado, o lançamento de novos produtos durante este ano também é suscetível de ter ressonância com os clientes existentes e atrair novos, aumentando o seu valor.

2. Astra Space (ASTR)

A Astra Space é uma empresa espacial privada dos EUA. Em novembro de 2021, o seu foguetão Astra 0007 descolou de Kodiak e chegou à órbita. O mercado acolheu este feito com um aumento de 42% no preço das ações, pelo que se pode imaginar que impacto terão os futuros lançamentos bem-sucedidos.

A Astra Space tem muitos lançamentos planeados para 2022 e planeia passar da fase de “teste” para a fase de “comercialização”. Prevê-se que as receitas aumentem até ao final do ano. A empresa tem uma posição líquida de tesouraria que se estima durar mais dois anos, tornando-a atrativa para os investidores.

3. Moderna (MRNA)

Pode argumentar-se que a pandemia de Covid-19 começará a diminuir, mas o futuro é difícil de prever. A Moderna acredita que o vírus está a avançar para uma fase endémica e que a humanidade terá simplesmente de viver com ele. Qualquer desenvolvimento continuará a exigir o uso de vacinas. A Moderna já espera grandes encomendas para a Spikevax em 2022 e mais tarde em 2023.

A Moderna tem ainda um total de 44 programas em curso. O mais proeminente destes será uma vacina contra a gripe e uma vacina contra o VIH. Os desenvolvimentos bem-sucedidos destes programas farão subir as ações do emissor.

4. GitLab (GTLB)

A plataforma GitLab está no centro da escrita do código que as TI precisam para construir a próxima geração de aplicações líderes. É um software crítico que pode continuar a crescer, apesar de um mercado inflacionário. A oportunidade de mercado alvo para a GitLab no mercado DevOps é de cerca de 40 mil milhões de dólares.

5. Rivian Automotive (RIVN)

A Rivian produziu 2553 veículos elétricos no primeiro trimestre de 2022 e planeia aumentar a produção até ao final do ano. A sua parceria com a Amazon proporciona uma vantagem competitiva, uma vez que garante um cash flow estável da empresa e aumenta a confiança na marca.

A Rivian está a negociar com uma baixa valorização de apenas 5,3x a sua futura carteira de encomendas, pelo que o único grande obstáculo ao sucesso da empresa é a atual perturbação na cadeia de fornecimento.

6. Sibanye Stillwater Limited (SBSW)

Aqueles que desejam proteger-se contra a volatilidade da moeda poderiam olhar para a platina. O metal mantém-se aos níveis de 2016 devido à fraca produção global de veículos, mas as ameaças às exportações russas ou a procura renovada por parte dos investidores poderiam acabar com o excedente.

As ações da Sibanye têm uma valorização extremamente baixa em comparação com o mercado e os seus pares. O seu rendimento em dividendos é de 8%. A empresa também tem uma forte posição de cash, e bons níveis de endividamento e tem planos para reduzir as despesas de capital nos próximos anos.

7. WeWork (WE)

A WeWork é uma empresa fornecedora de espaços de coworking, incluindo espaços partilhados físicos e virtuais. A empresa expandiu-se demasiado financeiramente, deu prioridade ao crescimento sobre a rentabilidade e a estabilidade, e esteve perto do colapso. Mas tem um produto interessante que se revelou surpreendentemente resistente no período pós-pandémico.Fre

A capitalização atual de cerca de 4,4 mil milhões de dólares oferece um potencial de crescimento. Se, a dada altura, a empresa conseguir atingir >90% de utilização, o stock poderá aumentar várias vezes o seu preço atual.

 

O Head of Investment Advice na Freedom Finance Europe afirma que as ações subvalorizadas são uma oportunidade de ganhar várias vezes mais do que a média do mercado em títulos. Mas esta perspetiva envolve um risco elevado, pelo que se deve proteger contra perdas através da diversificação. E mais importante, deve estudar para compreender melhor as características dos diferentes sectores e o seu impacto nas empresas.

 

Informações adicionais estão disponíveis mediante solicitação. O investimento em títulos e outros instrumentos financeiros envolve sempre riscos de perda de capital. O Cliente deve se conscientizar, por vontade própria, inclusive familiarizar-se com o Aviso de Divulgação de Risco. Opiniões e estimativas constituem o nosso julgamento na data deste material e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. Comissões, taxas ou outros encargos podem diminuir os retornos financeiros. O desempenho passado não é indicativo de resultados futuros. Este material não pretende ser uma oferta ou solicitação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro. As opiniões e recomendações aqui contidas não levam em consideração as circunstâncias, objetivos ou necessidades individuais do cliente e não constituem um serviço de consultoria de investimento. O destinatário deste relatório deve tomar suas próprias decisões independentes em relação a quaisquer valores mobiliários ou instrumentos financeiros aqui mencionados. As informações foram obtidas de fontes consideradas confiáveis pela Freedom Finance Europe Ltd. ou suas afiliadas e/ou subsidiárias (coletivamente Freedom Finance). A Freedom Finance Europe Ltd. não garante sua integridade ou precisão, exceto no que diz respeito a quaisquer divulgações relativas à Freedom Finance Europe Ltd. e/ou suas afiliadas e ao envolvimento do analista com o emissor objeto da pesquisa. Todos os preços são indicativos do fecho do mercado para os títulos discutidos, salvo indicação em contrário. A Freedom Finance Europe Ltd. não garante a sua integridade ou precisão, exceto no que diz respeito a quaisquer divulgações relativas à Freedom Finance Europe Ltd. e/ou suas afiliadas e ao envolvimento do analista com o emissor objeto da pesquisa.

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a Freedom Finance Europe.

Recomendadas

“Os consumidores estão muito mais preocupados com aquilo que comem mas mais sensíveis às modas”

Paula Bico, Diretora do de Serviço de Nutrição e Alimentação da DGAV, alerta sobre a necessidade de mais informação para permitir aos consumidores fazer escolhas informadas.

Startups: o motor de inovação do mundo Corporate

O mercado de startups em Portugal é ainda jovem, mas está vibrante e em franco crescimento, representando já 1,1% do PIB nacional. Há, atualmente, mais de 2150 startups registadas no nosso País, 13% acima da média europeia de número de startups per capita.

Quais são as skills mais procuradas no mercado de trabalho em 2022?

Ana Castro Dias, da Michael Page, revela quais são as skills necessárias no novo mercado de trabalho. Descubra ainda neste episódio qual a diferença entre hard-skills e soft-skills.
Comentários