Setor da aviação vai demorar anos a recupear, diz CEO da Boeing

O tráfego aéreo mundial vai demorar anos a regressar ao nível de antes da pandemia de covid-19, previu hoje o líder da Boeing, Dave Calhoun, apontando um período de dois a três anos.

Dave Calhoun, que falava numa reunião da Boeing, anunciou que são precisos três a cinco anos para que os dividendos da Boeing sejam restaurados, com o grupo aeronáutico a ser bastante atingido pelas consequências económicas da crise causada pela pandemia de covid-19.

Estas dificuldades acrescem aos problemas que o grupo tem enfrentado com o aparelho 737 MAX.

“Esta crise sanitária é diferente de tudo o que conhecemos antes”, afirmou Calhoun, acrescentando que haverá um período de “vários anos” antes de se atingir os níveis anteriores à pandemia.

Calhoun traçou um quadro sombrio quanto às perspetivas do setor aéreo em geral e da Boeing em particular.

“Sabemos que teremos que pedir dinheiro emprestado nos próximos seis meses”, afirmou.

Antes desta crise, a Boeing já enfrentava dificuldades devido à paragem dos aviões 737 MAX, impedidos de voar há mais de um ano devido a dois acidentes que causaram 346 mortos.

Na quarta-feira, a Boeing deverá apresentar os seus resultados trimestrais antes da abertura de Wall Street.

Desde o início do ano, as ações da empresa já registaram uma desvalorização de mais de 60% na praça nova-iorquina.

Relacionadas

Guerra entre Boeing e Embraer aumenta incerteza sobre fábricas de Évora

A empresa brasileira garante que irá tentar todas as medidas possíveis contra a Boeing pelos danos sofridos como resultado do cancelamento indevido e da violação do acordo de parceria.

Airbus otimista devido à forte implantação de mercado dos seus aviões A320 e A220

No momento em que a Boeing desiste da parceria com a Embraer, o fabricante europeu de aviões Airbus ganha otimismo, admitindo que goza de uma situação confortável no mercado mundial dentro do segmento dos seus aviões de médio curso A320 e A220. Sobre a retoma da atividade dos voos comerciais, fonte da Airbus referiu ao Jornal Económico que já “há sinais de lenta recuperação nas viagens domésticas na China”.
Recomendadas

Sindicato diz que renovação da frota automóvel da TAP é ética e moralmente condenável

Num comunicado aos associados que a Lusa teve acesso, o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) assinala que “foi com enorme estupefação e uma boa dose de vergonha alheia que os sindicatos, os trabalhadores do grupo TAP e os contribuintes portugueses foram confrontados com uma notícia que pode até ter uma rebuscada justificação económica, mas que é ética e moralmente condenável”.

Investimentos em eólicas e solar foram 15 vezes superiores ao nuclear – relatório

Cerca de 350 mil milhões de dólares foram investidos em todo o mundo em projetos de energia solar ou eólica, contra os 24 mil milhões dedicados a projetos de energia nuclear, indica o World Nuclear Industry Status Report.

Albergaria investe 3,7 milhões de euros na zona industrial para captar investimento e criar emprego

O município “tem realizado um forte investimento no desenvolvimento económico, dinamizando o sector empresarial e a economia local” nos últimos anos, segundo António Loureiro, Presidente da Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha.
Comentários