Setor da cerveja injeta na economia europeia o equivalente ao PIB do Luxemburgo

O setor da cerveja injetou 50 mil milhões de euros na economia europeia, o equivalente ao PIB do Luxemburgo. As 9.500 cervejeiras geram ainda cerca de 2,3 milhões de empregos, segundo o último relatório da organização Brewers of Europe sobre o comportamento do setor.

Em 2017, a produção de cerveja aumentou 200 milhões de litros, para atingir 39.700 milhões de litros. Portugal registou o maior aumento da produção, 8%, numa altura em que o setor da cerveja injeta 50 mil milhões de euros na economia europeia em geral, o equivalente ao PIB do Luxemburgo, segundo o último relatório da organização Brewers of Europe sobre o comportamento do setor, citado pela revista Grande Consumo.

“Ao longo da cadeia de valor, as 9.500 cervejeiras geram cerca de 2,3 milhões de empregos. Os governos da União Europeia recolheram cerca de 42 mil milhões de euros em receitas fiscais geradas pela produção de cerveja, incluindo 10,9 mil milhões de euros em impostos especiais”, avança a Grande Consumo, dando conta que “o sector da cerveja injeta 50 mil milhões de euros na economia europeia em geral, o equivalente ao PIB do Luxemburgo”.

Segundo este relatório, as exportações no setor da cerveja atingiram um recorde histórico, absorvendo quase 22% da produção. Ou seja, uma em cada cinco cervejas produzidas na Europa é enviada para o estrangeiro e, dessa percentagem, um terço para países fora da União Europeia. As cervejeiras alemãs e belgas exportaram a maior quantidade, com 1.500 milhões de litros em cada caso.

Com uma produção de 9.300 milhões de litros, a Alemanha foi o principal produtor, seguindo-se o Reino Unido e a Polónia, ambos com cerca de 4.000 milhões de litros, e a Espanha, em quarto lugar, com 3.762 milhões de litros (terceiro país em termos de consumo). Em comparação com 2016, Portugal registou o maior aumento da produção, 8%, seguido da Itália (‘7%), da Eslováquia e do Reino Unido (ambos com mais 6%).

O relatório da organização Brewers of Europe  também observa que o número de cervejeiras ativas aumentou em quase mil unidades, no ano passado, para quase 9.500 na União Europeia.

Nos últimos 10 anos, houve um aumento de cerca de seis mil fábricas. Do total, cerca de três quartos são microcervejeiras e PME, o que leva a uma diversidade crescente para os consumidores europeus. Com 2.430, o Reino Unido possui o maior número de cervejeiras da União Europeia, seguido pela Alemanha (1.492), França (1.100), Itália (868) e Espanha (521).

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários