Setor da construção cresce 6% em 2019

A produção do setor da construção “revelou um sensível dinamismo” em 2019 e cresceu 6%, face ao ano anterior, segundo a análise de conjuntura da Federação Portuguesa da Indústria da Construção e Obras Públicas (FEPICOP).

De acordo com um comunicado enviado às redações, “vários indicadores associados ao andamento da construção evoluíram de forma bastante positiva ao longo de 2019” e prevê-se “que, em termos anuais, [o setor] venha a registar um crescimento real de 6,0% face ao ano anterior, reforçando o andamento positivo dos últimos dois anos”.

O consumo de cimento cresceu mais de 16% nos primeiros dez meses de 2019, indica o documento, que cita ainda os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre o crescimento de 11,7% do indicador de Formação Bruta de Capital Fixo (investimento) da construção nos primeiros três trimestres do ano e de 8,4% do Valor Acrescentado Bruto no mesmo período, em termos homólogos.

“As avaliações dos empresários do setor, de acordo com as opiniões recolhidas pelo INE através dos Inquéritos Mensais à Atividade, atingiram em 2019 máximos de 17 anos, quer no que diz respeito ao Indicador de Confiança, quer quanto à apreciação sobre a atividade das empresas ou sobre as perspetivas de evolução do emprego e dos preços a praticar no futuro próximo”, lê-se no documento.

As previsões da FEPICOP são de que o segmento da construção de edifícios registe um crescimento de 7,9%, com um acréscimo de 12% na produção de edifícios residenciais e de 3,6% na de edifícios não residenciais.

Também foi registado um aumento de 44% no número de fogos novos licenciados e de 16% na área licenciada para construção de edifícios não residenciais, ambos em 2018 e em termos homólogos, “cuja concretização das respetivas obras durante o ano de 2019 veio a resultar em taxas de crescimento neste ano superiores às do ano anterior”.

Em relação aos edifícios não residenciais, aquela federação estima que o crescimento mais significativo seja registado na sua componente privada (4%), enquanto a sua componente pública deverá evoluir cerca de 3%, em termos anuais.

Já a produção de trabalhos de engenharia civil em 2019 manteve-se com um crescimento assinalável do montante contratado, que era de aproximadamente 30% até ao final de outubro.

Como consequência, diz a FEPICOP, assistiu-se a um decréscimo significativo no número de desempregados oriundos do setor da construção e registados no Instituto do Emprego e Formação Profissional (menos 18% até outubro de 2019).

“Ainda assim, a falta de mão-de-obra qualificada manteve-se como um dos principais obstáculos à atividade das empresas do setor, segundo as respostas dos seus responsáveis aos inquéritos à atividade promovidos pelo INE”, referiu aquela federação.

Recomendadas

Teixeira Duarte passa de prejuízo a lucro de 3,6 milhões no primeiro semestre

A construtora Teixeira Duarte totalizou 3,6 milhões de euros de lucro no primeiro semestre, valor que compara com um prejuízo de aproximadamente 18,6 milhões de euros apurado em igual período do ano anterior, foi esta quinta-feira comunicado ao mercado.

Gonçalo Moura Martins defende que empresas portuguesas precisam de escala

O CEO da construtora falava num painel de empresários constituído por António Pires de Lima, CEO da Brisa, Jorge Rebelo de Almeida, presidente do Grupo Vila Galé, e Francisco Cary, administrador da Caixa Geral de Depósitos, sobre o atual contexto de crise.

Exportações portuguesas de metalurgia batem recorde mensal absoluto

As exportações portuguesas de metalurgia e metalomecânica atingiram em maio o recorde mensal absoluto de 2.135 milhões de euros, subindo 25% em termos homólogos e ultrapassando pela primeira vez os dois milhões, anunciou esta quinta-feira a associação setorial.
Comentários