Setor energético impulsiona Wall Street

As principais praças dos Estados Unidos iniciaram a sessão a negociar em alta, com os títulos do setor energético a impulsionar os índices norte-americanos.

Brendan McDermid/Reuters

Os principais índices norte-americanos seguem a negociar no verde com o industrial Dow Jones a subir 0,27%, o tecnológico Nasdaq a avançar 0,73% e o S&P 500 a escalar 0,50%. Os títulos do setor energético são os que mais impulsionam os índices, no momento em que os preços do petróleo subiram esta segunda-feira, para o nível mais alto em três semanas, com a OPEP mais perto de chegar a um acordo para cortar a produção na reunião da próxima semana – depois de o Irão ter demonstrado disponibilidade para acordar um corte à produção da matéria-prima.

A marcar este início de sessão está também a cada vez maior expectativa de que a Reserva Federal dos Estados Unidos decrete um aumento dos juros já em Dezembro. Isto depois de Janet Yellem ter anunciado no final da semana passada que pode subir a taxa de juro “relativamente em breve”, se os dados económicos continuarem a indicar a melhoria do mercado de trabalho e a subida da inflação.

Segundo a agência Bloomberg, os investidores atribuem agora uma probabilidade de 98% a um aumento dos juros já em Dezembro.

Recomendadas

OPEP+ decide baixar a sua oferta de petróleo em dois milhões de barris diários

A redução da produção de petróleo anunciada esta quarta-feira corresponde ao maior corte na oferta desde maio de 2020. Decisão deverá irritar administração Biden e levar a resposta dos EUA, diz nota de mercado do Citi.

A queda da libra e a bolsa brasileira. Veja os gráficos da semana no “Mercados em Ação”

Veja os destaques na rubrica “Gráficos da Semana”, da responsabilidade de Marco Silva, consultor de estratégia e investimento, no programa que contou com a análise de Nuno Sousa Pereira, Head of Investments da Sixty Degrees.

OPEP+ está a equacionar corte de produção de até 2 milhões de barris por dia

Reunião de hoje em Viena. A OPEP+ está a equacionar um corte de produção de até 2 milhões de barris por dia.
Comentários