Setor tecnológico vai contratar mais 30% de trabalhadores nos próximos 3 anos

Um estudo da Associação Nacional das Empresas das Tecnologias de Informação e Eletrónica conclui que as contratações no setor vão aumentar 30% nos próximos três anos, sobretudo nas pequenas empresas, propondo um plano de reconversão de desempregados. Estas são algumas das conclusões antecipadas à agência Lusa de um estudo sobre as necessidades de recursos humanos […]

Um estudo da Associação Nacional das Empresas das Tecnologias de Informação e Eletrónica conclui que as contratações no setor vão aumentar 30% nos próximos três anos, sobretudo nas pequenas empresas, propondo um plano de reconversão de desempregados.

Estas são algumas das conclusões antecipadas à agência Lusa de um estudo sobre as necessidades de recursos humanos no setor tecnológico que é hoje apresentado no Porto pela Associação Nacional das Empresas das Tecnologias de Informação e Eletrónica (ANETIE).

De acordo com este estudo, as contratações neste setor vão aumentar 30% nos próximos três anos, uma média de 10% ao ano, e caberá às pequenas empresas a liderança em termos de aumento de empregabilidade na área tecnológica.

A profissão de programador é aquela que lidera a lista das seis que serão mais procuradas, composta ainda pelas de consultor de Sistemas de Informação/Tecnologias de Informação, técnico de hardware/software, técnico de helpdesk, gestor de projeto e comercial.

Em termos concretos, a associação propõe sete cursos de reconversão, que têm por base os profissionais mais necessários nesta área, sendo identificado para cada curso o tipo de profissão de origem, tendo em conta as possibilidades efetivas de reconversão e os dados estatísticos do desemprego.

Os professores de diferentes níveis de ensino, os psicólogos e os engenheiros civis foram as profissionais em destaque que, com a formação adequada, podem abraçar uma nova profissão.

Na opinião do presidente da ANETIE, Vítor Rodrigues, as conclusões do estudo são “particularmente úteis para as empresas do setor tecnológico e para a população desempregada, na medida em que este diagnóstico, muito focado nas reais necessidades e prioridades do tecido empresarial, permite lançar um plano de ação com vista à qualificação e ao emprego”.

Segundo Vítor Rodrigues, a aposta na competitividade deste setor deve fazer-se através da especialização do capital humano, sendo para isso “crucial que decisores públicos e instituições de formação tomem em consideração os resultados do diagnóstico agora lançado”.

Outra das ideias defendidas pelo presidente da associação é que “uma das restrições que se têm imposto ao crescimento do setor é a escassez persistente de profissionais com um perfil de competências correspondente ao dos postos de trabalho disponíveis”.

De acordo com esta pesquisa, “cerca de 78% das 49 empresas de TI inquiridas possui programadores, sendo que 51% delas destacam estes recursos na hora de especificar quem pretendem contratar”.

Outros dados desta pesquisa – feita em colaboração com a Universidade Portucalense – revelam que das empresas que participaram 69,4% têm, no máximo, 50 empregados e apenas 12,4% acima de 100, tendo a sua maioria sede no Porto.

OJE/Lusa

Recomendadas

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.