Paris. Imã da Mesquita Central de Lisboa condena ataques

O imã da Mesquita Central de Lisboa, Sheik David Munir, condenou sábado os ataques terroristas de 13 de novembro em Paris, avança o Notícias ao Minuto. “Ficámos chocados e tristes, como qualquer pessoa de bom senso. O mais chocante para um muçulmano é que quem fez aquilo seja também muçulmano, porque Islão significa Paz”, afirmou o sheik David […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O imã da Mesquita Central de Lisboa, Sheik David Munir, condenou sábado os ataques terroristas de 13 de novembro em Paris, avança o Notícias ao Minuto.

“Ficámos chocados e tristes, como qualquer pessoa de bom senso. O mais chocante para um muçulmano é que quem fez aquilo seja também muçulmano, porque Islão significa Paz”, afirmou o sheik David Munir, dentro da mesquita, no final da oração das 19:00.

“Não temos culpa do que se passou lá [em Paris], também estamos tristes e fizemos orações pelas vítimas”, disse o Sheik.

Até ao momento está confirmada pelas autoridades francesas a morte de 129 pessoas (incluindo um português e uma lusodescendente). O número de feridos registados é agora de 352, sendo que 99 se encontram em estado grave.

Segundo a BBC, o governo francês declarou estado nacional de emergência e fechou as fronteiras. Voos e comboios estão no entanto a funcionar. O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, autorizou o toque de recolher obrigatório, caso considerado necessário pelas autoridades.

OJE

Recomendadas

Empresa espanhola de armamento recebeu carta semelhante à que explodiu na embaixada da Ucrânia

Uma empresa espanhola de armamento recebeu um envelope similar ao que foi enviado para a embaixada da Ucrânia em Madrid e que explodiu.

Cimeira da NATO: o Ártico é a próxima fronteira

A entrada da Suécia e da Finlândia na NATO, um dos temas centrais da agenda da cimeira da Roménia, transforma o Ártico numa nova zona de conflito potencial. A Rússia lembrou esse perigo, que Jens Stoltenberg conhece bem.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.