Shell quer investir 416 milhões em projetos de emissões de carbono, mas 90% podem não surtir efeito

A petrolífera britânica tem divulgado projetos que visam a redução das suas emissões carbónicas, mas os avultados investimentos não estarão a ser canalizados da melhor forma.

A Shell planeia investir mais de 450 milhões de dólares (416 milhões de euros à taxa de câmbio atual) em projetos de redução das emissões de carbono. A empresa pondera comprar o equivalente a metade do mercado de compensações naturais, mas os planos podem não surtir o efeito desejado, segundo reporta o diário britânico “The Guardian”.

Uma investigação conjunta em que também participou o semanário alemão “Die Zeit” chegou à conclusão que 90% dos créditos realizados no âmbito da proteção do meio ambiente (entre os que mais frequentemente são usados pelas companhias) provavelmente não representarão reduções reais ao nível da quantidade de carbono libertado para a atmosfera.

A confirmarem-se as suspeitas, existe uma discrepância significativa entre a informação divulgada pela Shell e as suas verdadeiras ações. Isto porque a petrolífera, que é uma das cinco maiores do sector à escala global, divulgou a informação de que estaria a planear acelerar os processos de descarbonização.

A empresa pretende reduzir as emissões de carbono dos 69 milhões de toneladas registados em 2021 para 41 milhões em 2030. Para tal, garante ter uma série de estratégias, nomeadamente o uso de energia renovável e melhorias no que respeita à eficiência. Em 2020, a Shell investiu 90 milhões de dólares (83 milhões de euros) em projetos com este propósito. Em 2021 este valor foi superior, na ordem de 100 milhões de dólares (92 milhões de euros).

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Compra da Activision pela Microsoft levanta dúvidas ao regulador britânico

O regulador britânico publicou esta quarta-feira a sua decisão provisória sobre a compra da Activision pela Microsoft, avança a “CNBC”, afirmando que a aquisição pode resultar em preços mais elevados, menos opções e menos inovação.

Grandes petrolíferas dobraram lucros e atingem recorde

Lucros e dividendos a atingirem novos recordes, dívida a reduzir e investimento a aumentar. Grandes petrolíferas ocidentais registaram um bom ano de 2022.
Comentários