Shilling lança fundo de 30 milhões de euros para investir em startups tecnológicas

O Shilling Founders Fund, no qual a Atomico está envolvida, está desenhado por fundadores para fundadores e baseia-se num modelo de partilha de lucros. É uma forma de os grandes empreendedores valorizarem (mais) o ecossistema e apoiarem outros jovens gestores que passaram pelos mesmos desafios.

A Shilling lançou um novo fundo de 30 milhões de euros para investir em startups tecnológicas em early stage (fase inicial): o “Shilling Founders Fund”, que foi desenhado por fundadores para fundadores e está interessado em financiar os próximos unicórnios portugueses.

O fundo pretende dar aos grandes empreendedores formas de valorizarem (mais) o ecossistema e apoiarem outros jovens gestores que passaram pelos mesmos desafios – uma lógica que os fundadores das startups com rápido crescimento tem adotado, para “dar [apoio] de volta” ao empreendedorismo.

Como? Há três peculiaridades neste fundo: tem mais de 35 experientes founder LPs (limited partners) – também chamados ‘sócios silenciosos’, alguém que investe em uma sociedade para obter uma parte dos lucros, mas não desempenha um papel ativo na sua gestão – que tanto investem no fundo como dão apoio aos empreendedores da próxima geração; baseia-se num modelo de partilha de lucros entre todos os fundadores do portefólio e é gerido por dez senior partners com percursos em indústrias e continentes diferentes.

O Shilling Founders Fund conta com 2 milhões de euros de investimento dos sócios, é 100% subscrito por capital privado (tanto de investidores domésticos como internacionais) e, apesar de querer contribuir para o crescimento e afirmação de Portugal como um hub tecnológico, pode investir até 40% do capital para investimentos internacionais, independentemente da localização dos fundadores destas empresas.

“Chamamos-lhe aceleração com base em experiência. Adicionalmente, usamos um modelo de profit-sharing. Cada fundador do portefólio recebe uma parte do nosso retorno. Esta dinâmica alinha os incentivos da Shilling, dos founder LPs e dos fundadores do portefólio. É transformadora”, garante o managing partner da Shilling, Pedro Santos Vieira.

Fundada por Hugo Gonçalves Pereira, António Casanova, Diogo da Silveira, João Coelho Borges, Juan Alvarez e Pedro Rutkowski em 2011, a Shilling fez duas dezenas de investimentos através do seu primeiro fundo em empresas reconhecidas no ecossistema e globalmente. É o caso da Unbabel, da Bizay (comummente conhecida como 360imprimir), Uniplaces ou Best Tables.

“No nosso programa pre-seed, o processo desde a primeira reunião até ao dinheiro no banco dura, no máximo, 30 dias. O novo fundo e a nova marca expressam a nossa visão: aproximar os empreendedores com experiência que se tornaram investidores no fundo, à dos fundadores do portefólio”, garante Hugo Gonçalves Pereira.

O novo fundo, do qual a Atomico também está por trás, entretanto já investiu em sete empresas: Rows, Vawlt, Promptly, Modatta, Biocol Labs, Decipad e Detech.AI.

Recomendadas

Empresas reafirmam investimento contra riscos cibernéticos

A cibersegurança é uma prioridade para as empresas. O reforço do investimento na proteção de contra ataques mantém-se apesar da conjuntura atual marcada pela subida dos custos. 

Equinix cria fundo solidário de 50 milhões para promover a inclusão digital

A empresa de tecnologia norte-americana criou uma nova estrutura de apoio educativo. O conselho de administração da fundação irá, todos os anos, determinar o montante de doações da fundação, de modo a cobrir a concessão de contribuições ou a correspondência com as ofertas dos colaboradores.

Tecnológica portuguesa Innowave compra Cycloid

Desde 2018 que o grupo tem uma forte estratégia de M&A. “Esta aquisição é mais um passo na nossa estratégia de crescimento, materializada também na criação de centros de competência em Portugal, como é o caso de Lisboa, Porto, Coimbra, Faro e Beja”, afirmou o CEO da Innowave, Tiago Gonçalves.
Comentários