SIC: Alargamento da dedução dos juros da habitação em sede de IRS poderá abranger mais de 660 mil famílias

Segundo a SIC Notícias, se a medida for incluída no Orçamento do próximo ano, como se espera, poderá abranger mais de 660 mil famílias. 

Margarida Grossinho

Os juros no crédito à habitação poderão ser deduzidos no IRS, noticia a “SIC Notícias”, que diz a medida deverá ser incluída no Orçamento do Estado para 2023. A confirmar-se alarga assim a algo que já é possível, mas apenas para contratos feitos até ao final de 2011.

Recorde-se que no Orçamento do Estado para 2012, no Governo de Pedro Passos Coelho e por imposição da troika, a dedução dos juros da casa no IRS ficou limitada aos contratos celebrados até ao final de 2011 e as despesas com habitação foram reduzidas de 30% para 15% do seu valor.

Agora, mais de uma década depois, com o disparo das taxas de juro, o Governo de António Costa estuda alargar essa possibilidade aos contratos celebrados após essa data.

Segundo a SIC Notícias,  se a medida for incluída no Orçamento do próximo ano, como se espera, poderá abranger mais de 660 mil famílias.

No IRS não são esperadas descida das taxas, apenas a atualização dos escalões. O Jornal de Notícias avança hoje com a proposta.

Recomendadas

António Costa: Ambiente+Simples ajuda investimento nas renováveis

O primeiro-ministro afirmou que a desburocratização e a digitalização da administração pública é fundamental para reduzir custos e facilitar o investimento nas renováveis.

Presidente do Peru detido após ser destituído e acusado de golpe de Estado

Pedro Castillo foi detido e está na sede da polícia de Lima, depois de ter sido destituído pelo Congresso, acusado de tentar executar um golpe de Estado ao anunciar a sua dissolução.

Lagarde e o ‘whatever it takes’ para controlar a inflação. Ouça o podcast “Mercados em Ação”

No “Mercados em Ação”, podcast do JE, vai poder contar com a análise de especialistas em temas como ações e obrigações; investimento e poupança; BCE e FED; resultados e empresas; análises e gráficos.
Comentários