SICAD alerta para o risco da pobreza fazer renascer consumos dos anos 80 e 90

O diretor-geral do serviço de intervenção nas dependências alertou hoje para o risco da pobreza fazer renascer os consumos “catastróficos” dos anos 80 e 90, caso não seja reforçada a resposta que está muito carenciada de meios humanos.

“Temos que nos preparar muito seriamente para aquilo que é um novo ciclo de deterioração das condições de vida dos portugueses”, advertiu João Goulão na Assembleia da República, onde apresentou os relatórios anuais sobre a Situação do País em Matéria de Drogas e Toxicodependência e em Matéria de Álcool em 2021 e foi ouvido a requerimento do PCP sobre “a criação de uma estrutura única no âmbito dos comportamentos aditivos e das dependências”.

Para João Goulão, “é fundamental” ter “massa profissional e massa crítica para enfrentar de forma eficaz” os novos problemas que aí vêm e que, antecipou, “vão acontecer muito depressa”.

“Temos que robustecer os dispositivos que enfrentam os problemas das dependências em Portugal para conseguirmos dar resposta, sob pena de virmos a enfrentar uma situação como aquela que deixamos evoluir livremente nas décadas de 80 e 90 [no século passado] e que nos levou efetivamente a números catastróficos relacionados com o uso de heroína”, alertou o diretor-geral do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD).

Dirigindo-se aos deputados da Comissão de Saúde, João Goulão elucidou que o SICAD é uma direção-geral constituída por “meia dúzia de profissionais” estando os restantes nas Administrações Regionais de Saúde.

“Nós fazemos os possíveis por nos dirigirmos a estes problemas de acordo com a evidência que vamos produzindo e que vamos coletando também de outras fontes e penso que é inegável que tem havido alguma quebra na capacidade de lidar com alguns desses problemas”, declarou.

O médico apontou como uma das razões para esta situação “a incapacidade de renovar” os quadros nos últimos anos, contratando profissionais dedicados à área da terapêutica das toxicodependências.

“E há aqui um elefante na sala que é o passado que foi caracterizado pela existência do IDT, um instituto público vertical, com a capacidade de pensar as políticas, fazer estudos, compilá-los, de alguma forma digerir a evidência e fazê-lo traduzir em intervenções ao nível do terreno”, que foi extinto em 2012 e criado um novo modelo estrutural para as respostas dirigidas às dependências em geral, o SICAD.

João Goulão contou que “imediatamente a seguir” a esta decisão começou “a ser constatado e sentido pelos profissionais no terreno” que “o novo modelo dificilmente corresponderia e permitiria manter os níveis de eficácia que iam sendo experimentados até então”.

Por outro lado, disse, há algumas circunstâncias externas que “não foram seguramente alheias à evolução negativa de alguns indicadores” a nível dos consumos de droga e de álcool”, dando com exemplo “a crise da dívida soberana”, em que houve uma deterioração “muito violenta das condições de vida de franjas importantes” da população e se assistiu a um recrudescimento do uso da heroína que parecia estar a desaparecer do mercado português.

“O uso de substâncias psicoativas tem uma interligação muito estreita com os níveis de saúde mental da população e tem também uma relação muito estreita com as circunstâncias de vida da população”, salientou.

Ao contrário do que aconteceu no período da crise, a pandemia de covid-19 só agravou os padrões de consumo de quem já tinha consumos problemáticos prévios, disse.

Recomendadas

Regime remuneratório dos médicos das urgências alargado até 28 de fevereiro

O Governo aprovou a prorrogação do regime remuneratório aplicável ao trabalho suplementar dos médicos nos serviços de urgência. Medida excecional vigora até ao final deste mês.

ElliQ, o robô de companhia para idosos

O ElliQ é um robô de companhia, controlado por voz, destinado a adultos com mais de 65 anos, sobretudo os que vivem sozinhos. 

Deputados aprovam pedidos de baixas até três dias através do SNS24

Os deputados aprovaram esta quinta-feira uma proposta do PS que possibilita que as baixas de até três dias possam ser passadas pelo serviço digital do Serviço Nacional de Saúde (SNS24), mediante autodeclaração de doença, com limite de duas por ano.
Comentários