Siemens investe na pegada de carbono zero

A Siemens vai investir 100 milhões de euros a três anos para reduzir a emissão de CO2. O objetivo é poupar 20 milhões de euros/ano.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A Siemens pretende atingir uma pegada de carbono zero até 2030. O objetivo global é ser a “primeira grande empresa industrial” a atingir essa meta. Portugal também está a contribuir para esse objetivo.

O curto prazo o objetivo também é claro. A multinacional irá investir 100 milhões de euros nos próximos três anos para reduzir para metade as emissões de dióxido de carbono (CO2) até 2020. Atualmente a Siemens emite cerca de 2,2 milhões de toneladas métricas de CO2 anuais.

Com a introdução de sistemas de gestão de energia, de automação para edifícios e processos de produção ou sistemas de acionamento energeticamente eficientes e empresa espera reduzir os custos com energia para 20 milhões de euros/ano.

O programa de redução de CO2 arranca já em 2016 com um investimento inicial de cerca de 40 milhões de euros. A nova sede da empresa, em Munique, já cumpre “as normas mais rigorosas de respeito pelo ambiente, conservação de recursos e construção sustentável”, explica a empresa em informação enviada à imprensa.

Portugal diminui pegada

Também em Portugal as ações já se sentem. A Siemens tem vindo a desenvolver projetos com o objetivo de reduzir as emissões de CO2. A empresa está a participar num projeto-piloto, lançado pela empresa especializada em aluguer operacional e gestão de frotas do grupo Société Générale (ALD Automotive) e pela ADENE, que visa lançar as bases do processo de Certificação Energética para frotas automóveis.

Também na sede, em Alfragide, têm sido feitas intervenções. O edifício tem mais de 25 anos e está a adaptar-se aos tempos modernos. Por exemplo, o edifício da cantina já tem 40 painéis coletores solares instalados que asseguram o aquecimento das águas sanitárias e a iluminação do edifício já foi substituída por lâmpadas led de baixo consumo. Com estas medidas, a Siemens Portugal reduziu em 4% o consumo de energia em 2014.

OJE

Recomendadas

CEO da EDP diz que Portugal tem sido “exemplo de estabilidade” nos preços para as famílias

Em declarações aos jornalistas durante uma visita a um parque solar flutuante em Singapura, o CEO da EDP disse que a evolução dos preços em Portugal, incluindo um aumento médio de cerca de 3% do valor global da fatura de eletricidade dos clientes residenciais da EDP Comercial a partir de janeiro, “é uma coisa perfeitamente estável face ao enquadramento que existe”.
Pedro Saraiva, Vice-reitor da Universidade NOVA de Lisboa

Produtividade aumentará se as empresas interagirem mais com as universidades, diz vice-reitor da NOVA

Pedro Saraiva diz que muitas empresas até produzem já com um grau razoável de inovação, mas menos de 10% o faz em parceria com universidades. E essa é a grande lacuna, que quando ultrapassada contribuirá significativamente para resolver o problema da produtividade.

Emissão obrigacionista da Sonangol é “bem vinda” para a bolsa angolana

Segundo o responsável do Departamento de Desenvolvimento de Mercado da Bodiva, Nivaldo Matias, a iniciativa da Sonangol ainda não foi dada a conhecer formalmente à instituição, contudo, a decisão da petrolífera é “bem-vinda”.