Itália. Silvio Berlusconi conseguiu lugar no Senado (com áudio)

A coligação de centro-direita prepara-se para controlar o Senado italiano, após as eleições gerais de domingo, assegurando entre 111 a 131 lugares na Câmara Alta, de acordo com uma sondagem do Consorzio Opinio Italia para a televisão Rai.

O presidente do partido Forza Itália, Silvio Berlusconi, conseguiu um lugar no Senado nas eleições em Itália, voltando à Câmara da qual foi expulso em 2013, após ter sido condenado a quatro anos de prisão por fraude fiscal.

O ex-primeiro-ministro italiano de 85 anos, Sílvio Berlusconi conseguiu ficar em Monza depois de obter 50,32% dos votos seguido de Federica Perelli, de centro-esquerda, com 27,17%; Fabio Albanese, da Acción, com 10,21%; e Bruno Marton, do Movimento 5 Estrelas (M5S), com 7,66%.

Berlusconi disse depois de votar no domingo que “o voto é a única arma para mudar as coisas”.

“Pela primeira vez na minha vida, vi longas filas nas assembleias de voto. É um sinal de um grande desejo de dar à Itália um Governo estável e confiável”, disse, na rede social Twitter.

“Viva a democracia. Viva a liberdade de escolha”, acrescentou.

Mais de 50 milhões de italianos foram no domingo chamados a votar nas eleições legislativas italianas em que, devido à pulverização partidária, nenhum partido deverá obter uma maioria suficiente para governar sozinho.

A coligação de centro-direita prepara-se para controlar o Senado italiano, após as eleições gerais de domingo, assegurando entre 111 a 131 lugares na Câmara Alta, de acordo com uma sondagem do Consorzio Opinio Italia para a televisão Rai.

O centro-esquerda deverá ter entre 33 e 53 senadores, o Movimento 5 Estrelas (M5S) 14 a 34 e o terceiro polo centrista de Azione-Italia Viva quatro a 12 lugares, de acordo com a sondagem à boca das urnas, citada pela ANSA.

A sondagem à boca das urnas do Consorzio Opinio Italia coloca o partido Irmãos de Itália (extrema-direita) com 24,6%, o Partido Democrático (centro-esquerda) com 19,4% e o M5S em 16,5%.

Já a projeção do instituto de sondagens SWG para a televisão La7, citada pela agência de notícias italiana – ANSA, indica que o centro-direita deverá conseguir 43,3% dos votos para o Senado.

A sondagem coloca o centro-esquerda com 25,4%, o Movimento 5 Estrelas (M5S) com 17% e o terceiro polo centrista com 7,9%.

Segundo esta projeção, Giorgia Meloni e o seu partido, Irmãos de Itália, lideram a corrida eleitoral, com 26% dos votos.

Mais de 50 milhões de italianos foram hoje chamados a votar nestas eleições legislativas.

 

Relacionadas

Itália. Giorgia Meloni reivindica liderança do próximo governo (com áudio)

De acordo com resultados parciais, a coligação de direita e extrema-direita – liderada pelo FdI e que reúne ainda a Liga, de Matteo Salvini, e o partido conservador Força Italia, de Silvio Berlusconi – obteve entre 43% dos votos nas legislativas

Marcelo aguarda resultados finais e realça importância da Itália na UE (com áudio)

Marcelo Rebelo de Sousa falou sobre as eleições italianas em resposta aos jornalistas, durante um encontro com emigrantes e lusodescendentes em Gustine, condado de Merced, na Califórnia, quando passava das 02:00 de segunda-feira em Portugal continental, fim de tarde de domingo na Costa Oeste dos Estados Unidos, onde são menos oito horas. 

Rentabilidade da dívida europeia sobe após eleições em Itália

De acordo com dados de mercado recolhidos pela agência espanhola Efe, às 08:15, o título alemão a dez anos, considerado o mais seguro da Europa, também subia 3%, para 2,087%.
Recomendadas

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.
Comentários