Simulação EY: Veja quanto vai pagar nos descontos dos recibos verdes

Com as novas regras dos descontos dos recibos verdes para a Segurança Social, os trabalhadores independentes vão pagar menos. Já as empresas vão ter encargos superiores. Consulte aqui a simulação que a EY preparou.

O Governo e o Bloco de Esquerda chegaram a acordo sobre uma nova forma de descontos para os trabalhadores independentes. Na prática os trabalhadores a recibos verdes vão descontar menos para a Segurança Social. Já as empresas vão pagar mais 70 milhões de euros com os encargos associados aos recibos verdes, devido ao agravamento das taxas e à alteração dos limites a partir dos quais as empresas são chamadas a fazer descontos para a Segurança Social pelos trabalhadores independentes.

A EY preparou uma simulação para os novos valores de descontos relativamente a um trabalhador independente e à respetiva entidade contratante. Um trabalhador com um rendimento anual bruto de 30 mil euros e que preste a maioria dos serviços (80%) a uma só entidade contratante paga atualmente 5.986,11 euros em descontos para a Segurança Social. Com as novas regras, passará a pagar 4.494,00 euros.

Já a entidade contratante passa a pagar 3.000 euros por ano, o dobro dos atuais 1.500 euros.

 

Cenário atual (2017)

Contribuições para a Segurança Social:

Rendimento Bruto: 30.000,00 euros

Escalão da base de incidência contributiva: 6º

Base de incidência contributiva: 20.223,36 euros

Encargos suportados pelo trabalhador independente: 5.986,11 euros

Encargos pagos pela entidade contratante nos casos em que a dependência económica é de entre 50% e 80%: 0,00 euros

Encargos pagos pela entidade contratante nos casos em que a dependência económica é superior a 80%: 1.500,00 euros

 

Cenário a partir de 2019

Contribuições para a Segurança Social:

Rendimento Bruto: 30.000,00 euros

Rendimento relevante (para efeitos contributivos): 21.000,00 euros

Encargos pagos pelo trabalhador independente: 4.494,00 euros

Encargos pagos pela entidade contratante nos casos em que a dependência económica é de entre 50% e 80%: 2.100,00 euros

Encargos pagos pela entidade contratante nos casos em que a dependência económica é superior a 80%: 3.000,00 euros

 

Pressupostos:

1 – As presentes simulações foram efetuadas com base nas regras fiscais em vigor à data de preparação dos cálculos, nomeadamente a taxa contributiva a cargo dos trabalhadores independentes (29,6%) e das entidades contratantes quando aplicável (5%) e a consideração da alteração destas taxas para 21,4% e 7%/10%, respetivamente, bem como a eliminação do conceito de escalões, conforme noticiado para 2019.

2 – O cálculo das contribuições para a Segurança Social foi efetuado considerando que não estamos perante produtores agrícolas cujos rendimentos provenham única e exclusivamente do exercício da atividade agrícola ou que não estamos perante empresários em nome individual ou titulares de estabelecimento individual de responsabilidade limitada.

3 – Para efeitos das presentes simulações, tivemos como base o valor atualmente em vigor do IAS, i.e. 421,32 euros.

 

Relacionadas

Recibos Verdes: Novo regime obriga empresas a pagar mais 70 milhões de euros

Patrões não estão estão satisfeitos com alterações. O ministro do Trabalho, Vieira da Silva, garantiu, por sua vez, que a mudança no regime não terá impacto nas contas da Segurança Social.
Recomendadas

Lagarde e o ‘whatever it takes’ para controlar a inflação. Ouça o podcast “Mercados em Ação”

No “Mercados em Ação”, podcast do JE, vai poder contar com a análise de especialistas em temas como ações e obrigações; investimento e poupança; BCE e FED; resultados e empresas; análises e gráficos.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Governo e sector social num impasse para acordo face a exigência de aumentos salariais

O princípio de acordo para o setor social está num impasse porque o reforço de verbas do Governo às instituições pressupõe aumentos salariais de 5,1%, o que levou as instituições a pedir a renegociação e apresentar uma proposta conjunta.
Comentários