Sindicato confiante que haverá acordo de revisão salarial com a CGD

O Mais Sindicato diz em comunicado que está confiante de que obterá resultados, e por isso considera não ser este o momento para ações de protesto.

A propósito das negociações à volta da revisão salarial, o Mais Sindicato continua em negociações com o banco público no âmbito do processo de revisão salarial de 2021, ao qual acrescentou a proposta de revisão simultânea para 2022.

O sindicato diz em comunicado que está confiante de que obterá resultados, e por isso considera não ser este o momento para ações de protesto.

“Como o Mais Sindicato informou já, em comunicado de dia 7, a CGD manifestou disponibilidade para rever a sua posição relativamente à revisão salarial para 2021 atendendo às propostas apresentadas”, pelo que este sindicato da banca “mantém a intenção de chegar a acordo à mesa de negociações, facto pelo qual aguarda resposta da CGD sobre os aumentos da tabela e cláusulas de expressão pecuniária para 2021, bem como para 2022, conforme propostas que lhe apresentou na primeira reunião”.

“É convicção do [sindicato] é que o diálogo não está esgotado e tudo fará para que as remunerações dos trabalhadores sejam melhoradas. Não obstante, e caso o objetivo não seja atingido, não hesitará em recorrer a todas as outras vias ao seu dispor. Mas este ainda não é o momento”, dizem.

O sindicato diz ainda que não pretende a rutura e tudo fará para que muito em breve os trabalhadores sejam recompensados.

Recorde-se que os sindicatos afectos à UGT, o Mais Sindicato e o SBC, consideram recentemente que a proposta da CGD de tabela salarial para 2021 era “inadmissível”. A CGD subiu a sua proposta de aumento salarial da CGD de 0,2% para 0,4%, mas os sindicatos não aceitaram.

Relacionadas

Sindicatos recusam aumento salarial médio de 0,4% proposto pela CGD

Apesar do banco público ter revisto a sua proposta de 0,2% para 0,4% de aumento médio, o Mais Sindicato e o SBC imediatamente rejeitaram Mais – Sindicato do Setor Financeiro (ex-Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas) e o SBC consideram o valor “inadmissível” e sinalizam que “imediatamente rejeitaram”.

Sindicatos recusam proposta final de revisão salarial dos Bancos e pedem intervenção da DGERT

Na última reunião, realizada no dia 30 de novembro, o grupo negociador dos bancos “apresentou a sua proposta final, não negociável, de 0,4%, da tabela salarial, de pensões de reforma e de sobrevivência e cláusulas de expressão pecuniária”. Uma proposta que os sindicatos dizem que “vai contra a pretensão inicial dos sindicatos (1,4% de aumento).
Recomendadas

Crédito à habitação. Governo suspende comissão de amortização antecipada em 2023

O Governo afasta, contudo, um regresso das moratórias no crédito da casa. Uma medida que iria “criar uma ilusão às pessoas de que podemos acabar com o aumento das taxas de juro”, disse o secretário de Estado do Tesouro.

XTB não antevê eclosão de outra crise financeira global com a situação do Credit Suisse

“Na situação atual, a eclosão de outra crise financeira global como consequência do potencial colapso deste banco parece improvável, mas mesmo assim as consequências locais e a curto prazo do futuro questionável do Credit Suisse devem ser tidas em conta”, concluem os analistas da corretora.

Fidelidade reforça posição na seguradora peruana La Positiva para 93,9%

Na sequência de uma OPA, a Fidelidade passou a controlar 93,9% da seguradora e para isso faz um investimento de 396,3 milhões de soles, o equivalente a cerca de 101,2 milhões de euros.
Comentários