Sindicato de emergência pré-hospitalar e Governo ainda sem acordo. Greve mantém-se

Sindicato e Governo não chegaram hoje a acordo sobre os valores para o aumento dos índices remuneratórios dos técnicos de emergência pré-hospitalar, mantendo-se a greve ao trabalho extraordinário iniciada em 08 de novembro.

“Concluímos que não chegamos a conclusão nenhuma ainda”, uma vez que os valores dos aumentos apresentados pelas duas partes foram “bastante diferentes”, adiantou à Lusa o presidente Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar (STEPH), após o encontro de hoje destinado especificamente à negociação do índice remuneratório.

Segundo Rui Lázaro, a proposta do Ministério da Saúde foi subir um nível em todos os índices remuneratórios da carreira, sendo que o nível base, que está nos 757 euros, passaria para os 809 euros.

“A nossa proposta foi subir para o nível 14 que, pela tabela de 2022, é de 1.153 euros de base brutos, o nível imediatamente inferior à outra carreira que também trabalha em emergência médica com competências semelhantes, a de enfermagem”, avançou o dirigente sindical.

Perante esta discordância, ficou agendada uma nova ronda negocial para quarta-feira, às 16:00, mantendo-se a greve ao trabalho suplementar até pelo menos esse dia, adiantou o presidente do STEPH.

“Foi importante nos receberem especificamente para revermos o índice remuneratório”, salientou ainda Rui Lázaro, que disse esperar que seja possível chegar a um entendimento ainda esta semana, mesmo com “algumas cedências de parte a parte”.

Em 08 de novembro, os técnicos de emergência pré-hospitalar iniciaram uma greve ao trabalho suplementar, por tempo indeterminado, a exigir medidas para tornar a carreira mais atrativa, como forma de combater a taxa de 30% de abandono da profissão.

“A forma de combater isso é tornar a carreira mais atrativa, revendo imediatamente o índice remuneratório, que está próximo do salário mínimo nacional”, adiantou na altura o dirigente sindical.

Uma vez que a greve se refere a trabalho suplementar, a estrutura sindical não apresentou qualquer proposta de serviços mínimos por “não serem devidos”, já que “todo o trabalho em horário normal urgente e emergente continuará a ser garantido em todos os turnos”.

Além disso, as ocorrências `multivítimas´, catástrofes naturais e outras que possam vir a ocorrer não estão abrangidas por esta paralisação.

Recomendadas

Empreendedores apresentaram soluções inovadoras na área de saúde

A portuguesa R-nuucell, spin-off da Faculdade de Ciências, Universidade de Lisboa, que desenvolve novos medicamentos para a terapia dirigida ao cancro da mama triplo negativo integrou o grupo de 20 startups que se apresentaram aos investidores na CUF Tejo, em Lisboa.

Pelo menos 90% da população mundial adquiriu imunidade contra a covid-19

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estimou hoje que pelo menos 90% da população global adquiriu imunidade contra a covid-19, através de uma infeção ou da vacinação.

OMS alerta para risco acrescido de morte prematura das pessoas com deficiência

As pessoas com deficiência têm um risco mais elevado de morte prematura, de até 20 anos em relação à média da população, devido a dificuldades de acesso à saúde, alertou hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS).
Comentários