Sindicato diz que TAP deve aos tripulantes mais de 12 milhões em incumprimentos

“Na realidade não são oito milhões de euros, mas sim constantes incumprimentos que ascendem a mais de 12 milhões de euros e que a empresa deve aos tripulantes”, aponta o sindicato em resposta às declarações da presidente executiva da companhia aérea, Christine Ourmières-Widener.

Cristina Bernardo

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), que marcou greve para 8 e 9 de dezembro, disse hoje que a TAP deve aos tripulantes mais de 12 milhões de euros em incumprimentos.

“A administração alega que os ‘ganhos’ que os tripulantes teriam com esta proposta rondariam os oito milhões de euros É aqui que nasce o grande equívoco. Não estamos a falar de cedências. É algo que pertence aos tripulantes e que a empresa retirou de forma unilateral”, começa por referir o SNPVAC, em comunicado enviado aos associados, a que a Lusa teve acesso.

Em causa estão as declarações da presidente executiva da companhia aérea, Christine Ourmières-Widener, na quarta-feira, sobre a decisão de cancelar 360 voos nos dias em que está prevista uma greve de tripulantes de cabine, que vai representar uma perda de receitas de oito milhões de euros, um valor que seria equivalente ao que os tripulantes ganhariam com a proposta de acordo de empresa que a TAP colocou em cima da mesa das negociações.

“Na realidade não são oito milhões de euros, mas sim constantes incumprimentos que ascendem a mais de 12 milhões de euros e que a empresa deve aos tripulantes”, aponta o sindicato.

O SNPVAC considera que as declarações da responsável constituem “um dos maiores ataques à classe”, “uma exposição inqualificável e sem precedentes” e uma “tentativa de pressão e apontar de dedo” feita pela empresa “de forma vergonhosa, junto dos restantes trabalhadores do grupo e da opinião pública”.

“A direção do SNPVAC não fica indiferente a esta campanha de vitimização e recorda à administração, que quem assumiu o fim das negociações foi a empresa e com ultimatos em cima da mesa”, sublinha.

O sindicato esteve reunido com a TAP em 15 e 16 de novembro, no âmbito das negociações do novo acordo de empresa, onde diz ter definido “14 pontos fundamentais” para que pudesse levar à consideração dos associados um possível cancelamento da greve.

Entre eles estão a negociação de um novo acordo com base no atual, “substancialmente melhorado”, com o qual, segundo o sindicato, a TAP não concorda.

Fazem ainda parte das exigências do sindicato o ajuste das ajudas de custo, a atualização salarial, ou a efetivação de 11 tripulantes ultrapassados na senioridade, sendo que “a empresa aceitou efetivar estes tripulantes mediante a obrigatoriedade do SNPVAC apresentar a proposta aos associados até dia 22 de novembro”, algo que o sindicato diz ser “impossível de executar estatutariamente”.

“Quem decide os ‘timings’ [prazos] futuros são os tripulantes. Exigimos respeito. Dia 06 [de dezembro] saberemos estar à altura de mais uma assembleia-geral e esperamos transmitir uma inequívoca união entre todos nós”, rematou o SNPVAC.

Recomendadas

Aeroporto de Lisboa: “Senhores políticos, simplesmente deixem que as obras avancem”, pede líder da APAVT

Pedro Costa Pereira, presidente da Associação Portuguesa da Agências de Viagens e Turismo deixou o apelo na abertura do congresso. “Não evitarão a vergonha, que se colou a todos os que contribuíram para a atual situação, mas pelo menos mitigarão as consequências deste processo tão trágico como ridículo”, afirmou.

Turismo. Programa Apoiar será reforçado com 70 milhões de euros a partir de 1 janeiro

A informação foi anunciada pelo novo secretário de Estado do Turismo, Nuno Fazenda, durante o 47.º Congresso da APAVT, no qual deu ainda conta de uma linha de 30 milhões de euros para dar resposta às microempresas para se financiarem no Turismo de Portugal.

Tesla corta turnos na fábrica de Xangai

A entrada das novas contratações da fabricante automóvel para esta unidade de produção na China também foi adiada, segundo a Bloomberg.
Comentários