Sindicato dos Quadros discute hoje revisão do Acordo Colectivo do BCP

O  SNQTB reúne hoje em plenário com associados Trabalhadores dizem que têm sentido redução significativa de postos de trabalho, das retribuições auferidas e de outros benefícios.

Foto cedida

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) vai realizar hoje, dia 27, um plenário com os seus associados para debater a revisão do Acordo Coletivo de Trabalho do Millennium BCP. A reunião realiza-se na sede do SNQTB, diz o sindicato liderado por Paulo Marcos em comunicado.

“Pretende-se com este plenário discutir com os associados do SNQTB o que está em causa com este acordo apresentado pelo BCP”, diz o documento.

O BCP propõe a revisão de várias cláusulas do acordo, como seja, as progressões automáticas, o regime de faltas, contribuições para os SAMS, o prémio de antiguidade, os benefícios em caso de doença, invalidez ou invalidez presumível, entre outros.

“Estamos a negociar este acordo com um espírito de diálogo construtivo e responsável, cientes das dificuldades sentidas pela banca mas sem esquecer os trabalhadores, muito penalizados pelas reestruturações”, diz Paulo Marcos, presidente do SNQTB no comunicafo.

O Sindicato diz que os trabalhadores do Grupo BCP “sentiram uma redução muito significativa de postos de trabalho, a redução temporária das retribuições auferidas bem como outros benefícios previstos no Acordo Coletivo de Trabalho e que se encontram ainda hoje suspensos e que devem ser repostos, em breve, nos exatos termos acordados anteriormente com os sindicatos”.

Recomendadas

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.

Morgan Stanley avança com corte de 1.600 empregos

A redução de quadros, dada em primeira-mão pela “CNBC”, afetou cerca de 1.600 dos 81.567 empregados da instituição financeira e tocou a quase todos os cantos do banco de investimento global. O banco está a seguir os seus concorrentes no restabelecimento de um ritual suspenso durante a pandemia: a saída anual de pessoas com fraco desempenho.
Comentários