Sindicato dos Quadros e CGD chegam a acordo para aumento salarial de 0,75%

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários concluiu revisão salarial do acordo de empresa com a CGD. O pagamento será feito em dezembro, com efeitos a 1 de janeiro de 2018.

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) e a Caixa Geral de Depósitos (CGD) concluiram ontem, dia 10, o processo de revisão salarial do Acordo de Empresa desta instituição, depois desta ter denunciado o acordo em julho.

Ficou acordado entre as partes um aumento da tabela de 0,75%, com um subida salarial no mínimo de 18 euros. Mas também “a revisão das cláusulas de expressão pecuniária, como sejam as diuturnidades tipo A, abono para falhas, subsídio de refeição, subsídio de apoio ao nascimento/adoção, subsídio a trabalhador estudante e subsídio infantil e a revisão do valor máximo do crédito à habitação e a indemnização por morte em acidente de trabalho ou deslocação”, lê-se no comunicado.

O pagamento será feito em dezembro, com efeitos a 1 de janeiro de 2018.

Recorde-se que, em março deste ano, o SNQTB propôs à CGD o início do processo negocial de atualização salarial para 2018. A instituição decidiu denunciar o Acordo de Empresa em vigor no final de julho e o sindicato apresentou a sua contraproposta no prazo legal. Por insistência do SNQTB, as negociações diretas foram iniciadas no final de outubro.

“O SNQTB realizou sessões de esclarecimento com os seus associados da CGD, tendo estes aprovado unanimemente esta revisão salarial”, afirma Paulo Gonçalves Marcos, presidente do SNQTB na nota enviada.

“Quanto ao novo Acordo de Empresa, acordamos prosseguir as negociações, analisando de boa fé as propostas mutuamente apresentadas” acrescenta.

O SNQTB  diz que encontra-se assim plenamente empenhado na defesa da negociação coletiva, pela sua relevância sócio laboral e enquanto mecanismo de salvaguarda dos diretos e interesses dos trabalhadores”.

Recomendadas

Espanhóis endinheirados invadem gestoras de fortuna com pedidos sobre como pôr o dinheiro em Portugal

Segundo o jornal espanhol Expansión, os bancos espanhóis estão a ser inundados com pedidos de análise e informação sobre os efeitos da mudança de residência fiscal e transferência de parte (ou totalidade) do património para outras jurisdições incluindo Portugal, devido aos aumentos de impostos que estão a ser implementados pelo governo espanhol.

Site e aplicação do BCP com acesso limitado

A aplicação móvel e o site do banco estão com acesso limitado esta segunda-feira. Fonte oficial confirma ao JE que o problema “está diagnosticado e o serviço deve ser restabelecido dentro em breve”.

APB promove Open Day na banca para ensinar jovens a poupar e investir

“Ao longo da semana, iremos realizar dois webinars destinados aos alunos do ensino secundário e profissional sobre as opções de investimento disponíveis para quem quer começar a investir e os cuidados a ter na contratação destes produtos online”, anuncia a Associação Portuguesa de Bancos.
Comentários