Sindicato dos Registos e do Notariado critica campanha do Mecanismo Nacional Anticorrupção

O Sindicato dos Trabalhadores dos Registos e do Notariado (STRN) critica a campanha lançada hoje pelo Mecanismo Nacional Anticorrupção (MENAC) e que recorre ao exemplo de um funcionário público receber dinheiro para não aplicar coimas.

Numa nota enviada à comunicação social, o STRN defende que a iniciativa é “imprópria, inoportuna e altamente prejudicial para a imagem dos trabalhadores do sector”, lembrando que os casos mais mediáticos de corrupção “estão em quem tem ocupado cargos públicos políticos e não nos funcionários públicos”.

Segundo o presidente do sindicato, Arménio Maximino, a iniciativa da nova instituição criada para a prevenção e o combate à corrupção – e que visa assinalar o Dia Internacional contra a Corrupção, que se cumpre hoje – levanta “uma suspeita generalizada sobre todos os funcionários públicos”, reiterando que não tal representa a seriedade destes profissionais”

Arménio Maximino realça ainda a importância do sector dos registos para a economia e apela à tutela para avançar com a resolução dos “graves problemas estruturais”, ao apontar a escassez de profissionais, nomeadamente, de 234 conservadores de registo e de 1.522 oficiais de registo, entre outros problemas.

Com o mote “Contra a corrupção, todos devemos dizer não!”, a campanha recorre a alguns exemplos abstratos de comportamentos associados à corrupção para alertar para os seus impactos ao nível da credibilidade das instituições democráticas e do desenvolvimento económico e social.

“O objetivo é sensibilizar os cidadãos para a necessidade de prevenir e contribuir para a rejeição do fenómeno”, salienta uma nota do MENAC.

A campanha conta com o apoio da RTP e da Antena 1 e estará presente em diversos locais de atendimento de serviços públicos, de norte a sul do país, estando prevista igualmente a sua divulgação através dos canais digitais de diversos organismos da administração pública.

Recomendadas

Eutanásia? Não cabe ao TC fazer “adivinhação” sobre pedido de Marcelo

A juíza relatora do acórdão do Tribunal Constitucional sobre a morte medicamente assistida defendeu que não cabe ao tribunal fazer “exercícios de adivinhação” sobre o pedido de fiscalização preventiva do Presidente da República, que deve ser claro e preciso.

Presidente da República admite enviar para o Tribunal Constitucional decreto sobre associações públicas profissionais

“Eu admito nos próximos dias pedir novamente ao Tribunal Constitucional que se pronuncie em fiscalização preventiva sobre outro diploma”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, no antigo picadeiro real, junto ao Palácio de Belém, em Lisboa.

Portugal manteve 33.º lugar na lista da corrupção

A classificação de Portugal manteve-se, assim, inalterada face aos dados do ano passado e de 2019, sendo que em 2020 tinha descido até aos 61 pontos.
Comentários