Sindicatos aguardam resposta do Crédito Agrícola quanto aos aumentos salariais

Os trabalhadores do Crédito Agrícola são abrangidos por IRCT autónomo – o ACT das Instituições de Crédito Agrícola Mútuo (ICAM). “Não obstante, em regra, aplicam-se-lhes anualmente, no mínimo, a atualização da tabela e cláusulas de expressão pecuniária acordada em sede de revisão do ACT do Setor Bancário”, referem.

O Mais Sindicato, o SBC e o SBN, sindicatos do setor financeiro da UGT, dizem em comunicado que esperam poder, já nos próximos dias, transmitir aos trabalhadores das Instituições de Crédito Agrícola Mútuo (ICAM) quando e de quanto será a sua atualização salarial.

Os trabalhadores do Crédito Agrícola são abrangidos por IRCT autónomo – o ACT das Instituições de Crédito Agrícola Mútuo (ICAM). “Não obstante, em regra, aplicam-se-lhes anualmente, no mínimo, a atualização databela e cláusulas de expressão pecuniária acordada em sede de revisão do ACT do sector bancário”, referem.

“Estes sindicatos sempre defenderam que as instituições que têm acordos específicos para os seus trabalhadores devem negociar autonomamente as condições salariais e sociais, de forma a garantir melhores condições de trabalho”, avançam os sindicatos.

“Relativamente ao processo negocial para 2021 e 2022 essa é também a pretensão dos sindicatos, que aguardam com expetativa a resposta do Crédito Agrícola à sua proposta”, referem no comunicado acrescentando que assim, o Mais, o SBC e o SBN contam, nos próximos dias, poder transmitir aos trabalhadores das ICAM quando e de quanto será a sua atualização salarial – e esperam também poder informar que esta será superior ao já acordado na revisão do ACT do sector Bancário.

Recomendadas

PremiumVenda do Atlântico avança e espanhóis fora da corrida ao BPG

O pedido de compra do Atlântico Europa pelo Well Link Group está finalmente a evoluir, depois do acordo assinado no inicio de 2020. Já o BPG optou por abrir o processo competitivo de venda.

Govcoins são o futuro mas ameaçam negócio da banca

As moedas digitais dos bancos centrais podem trazer mais segurança nos pagamentos, mas também criar um problema de inclusão. E podem colocar em causa a viabilidade do sector financeiro.
CEO das seguradoras Fidelidade, Tranquilidade, Ageas e Liberty

PremiumSeguradoras estão preparadas para impacto da crise

As companhias de seguros são as maiores gestoras de ativos do mundo, por isso os líderes da Fidelidade, Ageas, Tranquilidade e Liberty Europa estão mais preocupados com a forma como os investimentos serão feitos com o PRR do que com o impacto da crise nas companhias.
Comentários