Sindicatos da UGT e CGD sem acordo adiam reunião para a próxima semana

A primeira reunião de negociações para a revisão salarial de 2023 não alterou a posição das partes, que continuam muito distantes, dizem o Mais, o SBC e o SBN.

6 – Caixa Geral de Depósitos

Os sindicatos da banca filiados na UGT – Mais Sindicato, SBC e SBN relataram em comunicado que reuniram-se hoje, dia 20 de janeiro, com a CGD, no âmbito do processo de revisão salarial para este ano. Mas naquela que foi a primeira reunião de negociações para a revisão salarial de 2023  a Caixa Geral de Depósitos que tem uma proposta de aumentos de 3%, não alterou a posição das partes, que “continuam muito distantes”.

Desta forma  ficou tudo igual após primeira ronda negocial. Os sindicatos revelam que um novo encontro foi agendado já para a próxima semana.

“Positivo foi o entendimento de que o processo deve ser rápido”, dizem.

Recorde-se que a proposta sindical é de 8,5% de aumento na tabela e cláusulas de expressão pecuniária, além de outras cláusulas que “podem contribuir para a minimizar as dificuldades atuais dos bancários, ativos e reformados. Na sequência dessa proposta, a 23 de dezembro a CGD respondeu com um aumento médio de 3% na tabela salarial, com um mínimo de 50 euros; um aumento de 2% no subsídio de almoço; um aumento de 3% nas restantes cláusulas de expressão pecuniária, com exceção de abono para falhas e ajudas de custo.

“Mas a todas as propostas de clausulado respondeu Não”, dizem os sindicatos.

Na reunião desta sexta-feira, a primeira das negociações diretas, “as partes tiveram oportunidade de justificar o respetivo ponto de partida, e estes sindicatos não deixaram de evidenciar que a contraproposta da CGD está muito longe do aceitável, nomeadamente por não repor o poder de compra; não atingir, no mínimo, a taxa de inflação de 2022, que foi de 7,8%; e por ser injusto para os trabalhadores, ao não verem compensado o trabalho que permitiu os excelentes lucros atingidos”, lê-se na nota.

O Mais, o SBC e SBN dizem que as divergências devem-se ao facto de a proposta da Caixa “não equacionar as propostas sindicais, que vão para além da tabela e das cláusulas de expressão pecuniária, e que podem contribuir para a minimizar as dificuldades dos bancários, ativos e reformados”,

No entanto, as partes coincidiram no entendimento de que “nada justifica arrastar o processo negocial, pois os trabalhadores precisam urgentemente de melhores condições remuneratórias e laborais. Assim, ficou já marcada a segunda reunião, a realizar na próxima semana”, concluem.

Recomendadas

Santander com mais 30% de amortizações antecipadas de crédito à habitação

Num ano em que qualquer amortização antecipada de crédito hipotecário está isenta de comissões, o banco regista já um aumento de 30% das amortizações antecipadas nos últimos três meses, face ao padrão que existia.

PremiumSantander insta BdP a rever regra dos créditos da casa

À Euribor e spread, o regulador recomenda que se somem outros 3% à taxa final na análise da banca à solvabilidade dos clientes nos créditos a taxa variável. Para o Santander, esta regra deveria ser revista perante a subida dos juros.

Lucros do CaixaBank recuam 40% em 2022 com impacto da fusão com o Bankia

Excluindo o impacto extraordinário da fusão com o Bankia, as receitas do CaixaBank cresceram no ano passado 5,8%, para os 11.997 milhões de euros, “impulsionadas pelo aumento de 7,7% da margem de juros e de 33,1% das receitas e gastos com contratos de seguros”.
Comentários