Sindicatos da UGT gostam dos aumentos salariais no Novobanco, BPI e Santander, mas queriam mais

Os Sindicatos aplaudem o aumento do salário mínimo no Santander Totta para 1.400 euros, bem como a abolição do rateio nos prémios de desempenho no Novobanco.

“Os aumentos antecipados são bem-vindos, mas insuficientes”, dizem o Mais Sindicato, SBC e SBN sobre os aumentos salariais antecipados
promovidos pelo Novobanco, BPI e Banco Santander Totta. Mas os Sindicatos exigem mais e não aceitam que seja desvirtuado o processo negocial.

A proposta negocial do Mais, SBC e SBN é de 8,5%, face uma inflação registada de 7,8%, em 2022. “É indispensável que seja reposta a totalidade da perda do poder de compra dos bancários e sejam melhoradas as suas condições retributivas”, acrescentam.

Para os Sindicatos da UGT, os aumentos salariais têm de emergir sempre dum processo negocial de boa-fé, no âmbito da revisão do ACT que os referidos bancos assinaram conjuntamente com os Sindicatos. “Estas negociações continuam a revelar-se urgentes e necessárias”, dizem.

Os Sindicatos aplaudem o aumento do salário mínimo no Santander Totta para 1.400 euros, bem como a abolição do rateio nos prémios de desempenho no Novobanco.

“O aumento salarial agora antecipado pelos bancos representa uma confissão de que era de todo injustificada e incompreensível a sua contraproposta negocial de aumentos de apenas 2,5%, que tinham apresentado aos Sindicatos”, dizem.

Por fim criticam o facto de terem ficado excluídos dos aumentos salariais, já adiantados, todos os bancários na situação de reforma. “É que o agravamento das condições de vida também atingiu todos os Bancários Reformados”, afirmam.

Recomendadas

MDS compra mediadora Pacific Insurance

A MDS comprou a Pacific Insurance e desta forma anexa 4 milhões de euros em prémios à sua carteira de seguros.

“Não vejo as fintech como uma grande ameaça à banca”. Veja a entrevista ao CEO da Nickel, Thomas Courtois

A Nickel quer abrir 2.500 balcões e alcançar 450 mil clientes em Portugal nos próximos cinco anos, mas o CEO da fintech francesa não se compromete a manter a anuidade de 20,80 para sempre. A crise na banca abriu a porta a novos players, mas coexistência é possível, diz em entrevista à JE TV.

Justiça suíça abre processo sobre fuga de informação no Credit Suisse

Em fevereiro de 2022 foram expostas mais de 18 mil contas do Credit Suisse que estarão ligadas a empresários sobre os quais recaem sanções ligadas à violação dos direitos humanos, e pessoas envolvidas em esquemas de fraude.
Comentários