Sindicatos dos professores com pé atrás voltam a sentar-se com o governo

Apesar de comparecerem na reunião desta tarde, os sindicatos receberam a convocação do Ministério da Educação com um pé atrás. A Fenprof reafirma que “não admitirá qualquer solução que apague tempo de serviço aos professores”.

Os dez sindicatos dos professores que assinaram o memorando com o governo foram convocados para uma reunião de “negociação do processo de recomposição da carreira”, que se realizará esta quarta-feira, 5 de dezembro, pelas 18h00, nas instalações da Direção-Geral de Educação, em Lisboa.

A Fenprof (Federação Nacional de Professores) reafirma que “não admitirá qualquer solução que apague tempo de serviço aos professores; não admitirá que, depois de discriminados em relação à generalidade dos trabalhadores da Administração Pública, os professores que exercem atividade no continente sejam discriminados em relação aos seus colegas que trabalham nas regiões autónomas da Madeira e dos Açores, cujos governos demonstraram respeitar os seus professores, ao contrário do governo de Lisboa.”

Em comunicado, o maior sindicato de professores esclarece que apresentará “um veemente protesto” pelo facto da reunião ter sido convocada esta terça-feira, com menos de 24 horas de antecedência, quando a lei impõe cinco dias úteis.

O maior sindicato nacional de professores diz ainda que o assunto da “alegada negociação é o mesmo que o Ministério da Educação encerrou em setembro do ano passado” e que para esta reunião não foi enviado qualquer documento para apreciação prévia e eventual preparação. Rejeita, portanto “o envolvimento num processo destinado a fingir que está a ser respeitada a decisão da Assembleia da República ou a enganar o Senhor Presidente da República”.

Segundo esta estrutura sindical há eco de notícias que apontam para a possibilidade do governo levar a Conselho de Ministros, para alterações, o decreto-lei que aprovou, sem negociação, em 4 de outubro. “ Tratando-se de matéria de negociação obrigatória, os responsáveis do Ministério da Educação pretenderão simulá-la convocando esta reunião?” – interroga-se a estrutura liderada por Mário Nogueira.

Os professores querem ver reconhecidos para efeitos de progressão da carreira o total de nove anos, quatro meses e dois dias de tempo de serviço congelado, mas o governo quer reconhecer apenas dois anos, nove meses e 18 dias do tempo de serviço congelado.

Relacionadas

Portugal tem 4 ‘business schools’ no grupo das 95 melhores da Europa. Veja aqui o ranking

Católica-Lisbon, Nova SBE, Porto Business School e ISCTE figuram na lista do Financial Times, liderada pela britânica LBS. A ISCTE Business School foi a portuguesa que mais subiu no espaço de um ano.

Parlamento da Madeira aprova recuperação integral do tempo de serviço dos professores

O decreto de lei foi aprovado por unanimidade e vai permitir aos docentes recuperar os nove anos, quatro meses e dois, que foram congelados.

Presidente da República diz que vai apreciar OE2019 antes do decreto sobre professores

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, “não é possível tomar uma decisão sobre um diploma que vai ser aplicado no próximo ano sem previamente apreciar o que no Orçamento para o próximo ano ficou aprovado sobre a mesma matéria”.
Recomendadas

BE defende regime de moratórias bancárias e impenhorabilidade da primeira habitação

As medidas para fazer face ao aumento dos preços da habitação foram apresentadas por Catarina Martins, que defende também um programa “Arrendar para Habitar”.

Apertem os cintos! Vamos agora aterrar em Santarém. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes” de Rui Calafate

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Marcelo defende equilíbrio por parte do BCE para evitar estagnação

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu hoje que o BCE deve procurar um equilíbrio e “pensar muito bem” na subida de juros para evitar a estagnação económica.
Comentários